Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

“Não me parece que consigam abrandar-nos”: Lewis Hamilton e a proibição dos modos de motor de qualificação

A FIA enviou uma carta às equipas a avisar que os modos de qualificação que aumentam a potência do motor serão proibidos a partir do próximo grande prémio. Hamilton diz que a medida é uma forma de tentar abrandar a Mercedes mas duvida da eficácia

Tribuna Expresso

Dan Istitene - Formula 1/Getty

Partilhar

Lewis Hamilton discorda dos planos da Fórmula 1 de banir o uso dos modos de qualificação e considera que estes são uma forma de abrandar os Mercedes. Antes do Grande Prémio de Espanha deste fim de semana, a FIA escreveu às equipas a avisar que os modos que aumentam a potência no motor de combustão serão ilegais na próxima ronda em Spa. O companheiro de equipa de Hamilton, Valtteri Bottas, avisou que proibir modos alternativos na corrida pode também tornar as ultrapassagens mais difíceis.

Hamilton lidera o campeonato do mundo com 30 pontos de avanço sobre Max Verstappen, da Red Bull, que ganhou a última corrida, em Silverstone. O piloto britânico partiu da pole position em três das cinco corridas esta época, com a Mercedes a garantir o primeiro lugar da grelha na totalidade dos grandes prémios. Hamilton crê que a sua equipa está a ser perseguida por ter o motor mais potente da grelha.

“Não é surpresa, eles estão sempre a tentar abrandar-nos,” disse. Contudo, mantém a confiança de que, mesmo que as regras mudem, a Mercedes mantenha a vantagem. “Os tipos da nossa equipa têm feito um grande trabalho com o motor,” disse. “Não me parece que consigam abrandar-nos.”