Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Rui Gomes da Silva: “A democracia, de momento, não existe no Benfica”

O candidato a presidente do Benfica critica mais do que nunca a atuação de Luís Filipe Vieira, numa entrevista ao jornal “A Bola” em que explica que Jesus não podia ter regressado e defende que a BTV faz campanha pelo atual presidente

Tribuna Expresso

Partilhar

Numa fase em que as notícias sobre o Benfica estão quase todas relacionadas com a chegada de novos jogadores ao plantel novamente orientado por Jorge Jesus, quase nos esquecemos das eleições que vão definir a direção futura do clube da Luz, em outubro. Antigo aliado de Luís Filipe Vieira, Rui Gomes da Silva é hoje um dos seus adversários mais críticos, como se pode ler na entrevista que deu ao jornal “A Bola”.

A reeleição de Vieira

“O incumbente parte sempre em vantagem, ainda por cima quando essa posição permite gastar milhões de euros que não foram gastos nos últimos anos. O Benfica teve, nos últimos anos, épocas em que gastou cerca de nove milhões de euros e agora, por aquilo que se vai ouvindo, gastará cerca de 200 milhões. (…) O que prova que a única preocupação de Luís Filipe Vieira, enquanto presidente, não é com o clube, mas com a manutenção do lugar. (…) Qualquer benfiquista se sentirá humilhado com estas derrotas frente ao FC Porto intervencionado.”

Concorrer contra Vieira

“Disse que não concorreria contra ele em condições normais. (…) Percebi, a partir de certa altura, que, quando falava no Benfica europeu e no Benfica hegemónico, as pessoas riam-se. Admiti que seria possível mas, em 2016, quando saí, percebi que o clube estava no caminho errado.”

Saiu descontente

“Saí muito descontente. Não admitia que o objetivo europeu do Benfica fosse, todos os anos, chegar aos quartos de final da Liga dos Campeões. (…) Não de ganhar todos os anos a Champions, mas de todos os anos entrar com o objetivo de a ganhar.”

A parceria com Jorge Mendes

“Não gostei que o presidente tivesse anunciado que iria fazer uma parceria estratégica com um empresário de sucesso. Quando um clube tem parcerias estratégicas com pessoas cujos objetivos são totalmente contraditórios com os nossos, algo está mal. (…) Não há empresário no mundo que tenha como objetivo que o Benfica vença campeonatos.”

O caminho errado

“Percebi [que aquele não era o caminho] em 2017, quando vendemos tudo e perdemos a oportunidade de chegar ao penta. (…) Investimos 9,5 milhões de euros quando se tinha vendido mais de 200 milhões de euros.”

O Benfica de Gomes da Silva

“Quero um Benfica ganhador em toda a linha. (…) Não existem convicções no Benfica, existem interesses em função de uma única ideia: permanecer no poder. Se, para permanecer no poder, Vieira tiver uma ideia agora e outra, totalmente diferente, cinco minutos depois, assim será. Não há estratégia.”

Negócios obscuros

“Tem a ver com a quantidade de jogadores que são comprados e que nunca jogarão no Benfica. Tem a ver com a quantidade de comissões que são pagas por jogadores que nunca vestirão a camisola do Benfica.”

“O Benfica comprou o Alfa Semedo há pouco tempo. Onde está ele? O Benfica comprou dois jogadores ao Leixões há um ano e gastou cerca de 2,5 milhões de euros. Um foi dispensado ao fim de seis meses e o outro ao fim de um ano. (…) Temos atualmente mais de 100 jogadores. Para quê?”

Jorge Jesus é o presidente em exercício

“Um treinador do Benfica não pode falar como se fosse o presidente em exercício. Um presidente do Benfica não pode esconder-se atrás de um treinador. Seja ele qual for.”

Falta de debates na BTV

“Não aceito que a direção do Benfica diga aos jornalistas da BTV para não haver debates entre os candidatos. (…) O jornal e a BTV não cobrem as candidaturas e fazem campanha encapotada pelo atual presidente? (…) A democracia, de momento, não existe no Benfica.”