Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Klopp vira-se para Chelsea e City: “Para alguns clubes, de oligarcas e de países, o futuro parece menos importante”

O treinador do Liverpool criticou os adversários pelos gastos em transferências. Os Reds fizeram apenas uma contratação para o plantel que ganhou a Premier League na última época, o grego Kostas Tsimikas, do Olympiacos

Tribuna Expresso

Carl Recine

Partilhar

O único reforço até agora da equipa de Merseyside foi Kostas Tsimikas, que deixou o Olympiacos por pouco mais de 11 milhões de euros. Números modestos para a liga inglesa. Klopp, em entrevista à BBC Radio 5, explicou as razões por que o Liverpool se comporta de forma diferente dos seus rivais diretos na hora de abrir os cordões à bolsa.

“Neste momento, vivemos num mundo com muita incerteza,” disse o alemão. “Para alguns clubes parece ser menos importante o quão incerto o futuro é. Na posse de países e oligarcas, é essa a verdade. Somos um tipo diferente de clube.”

O Chelsea contratou Timo Werner, um jogador que o Liverpool desejava antes da pandemia, para além de Kai Havertz, Thiago Silva, Ben Chilwell e Hakim Ziyech, por um total de 253 milhões de euros. O City, por seu turno, contratou Nathan Ake e Ferran Torres por valores milionários. Klopp afirma que o Liverpool tem de ter cuidado.

“Fomos à final da Liga dos Campeões há dois anos, ganhámos o ano passado. Fomos campeões da Premier League na última época sendo o clube que somos. Não podemos mudar da noite para o dia e dizer: ‘Agora queremos comportar-nos como o Chelsea’. Eles estão a contratar muitos jogadores. Pode ser uma vantagem, mas isso significa que têm de encaixar uns nos outros. Não podes juntar os 11 melhores jogadores do mundo e esperar que uma semana depois eles joguem o melhor futebol. É preciso treinar. Isso será provavelmente uma vantagem para nós. Temos trabalhado muito uns com os outros.”