Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Red Bull quer usar motor próprio até que as novas regras da Fórmula 1 entrem em vigor

A equipa vai perder os motores da Honda, com a marca nipónica a dizer adeus à F1 no próximo ano, mas quer a ajuda do construtor para desenvolver um motor dentro de portas

Tribuna Expresso

Dan Istitene - Formula 1

Partilhar

Tempos houve em que abundavam os fornecedores de motores na categoria rainha do automobilismo em pista. Hoje em dia, não é bem assim. A Mercedes não parece estar interessada em equipar um rival direto, a Ferrari tem de lidar com os seus próprios problemas e a relação da Red Bull com a Renault terminou de forma atribulada.

Atualmente, a Red Bull corre com motores Honda, Com a anunciada saída da marca japonesa da Fórmula 1, a equipa levou as mãos à cabeça. Entretanto, surgiu a ideia do desenvolvimento de um motor próprio baseado naquele que utiliza atualmente, ou seja, da Honda.

Para que isso aconteça, a Red Bull quer comprar os direitos da unidade da Honda e trabalhar a máquina dentro de portas, em Inglaterra. Essa seria apenas uma situação temporária, para durar até ao fim da atual regulamentação, que deverá manter-se em vigor até 2025. Helmut Marko, conselheiro da equipa, disse à Sky alemã: “Gostaríamos de transferir tudo para Inglaterra, mas precisamos de ajuda da Honda”.

Marko acrescentou: “Mais ou menos a partir do início da temporada 2022, deveremos conseguir trabalhar no motor de forma independente. Seria um projeto da Red Bull até ao fim destes regulamentos. Planeamos fazer isso apenas até 2025. Não temos como prioridade fabricar motores”.

Desta forma, a marca só teria de voltar a preocupar-se com a negociação de um novo motor para a época de 2026. “Os novos regulamentos claramente devem ser mais favoráveis em termos de custos. E a tecnologia deve ser mais simples,” afirmou Marko.