Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

“Eu sabia que ia tornar-me milionário”: após jogar no Arsenal e Barcelona, Alex Song assina por clube do Djibouti

Song estava sem clube desde março, quando foi dispensado pelo Sion por recusar-se a baixar o ordenado

Tribuna Expresso

Miguel Ruiz

Partilhar

Oito meses depois, o internacional camaronês Alex Song vai voltar a jogar futebol. O antigo médio do Arsenal e do Barcelona assinou pelo desconhecido Arta Solar 7, que disputa a liga do Djibouti.

O jogador e oito companheiros de equipa foram dispensados pelo Sion, da Suíça, por se terem recusado a aceitar um corte salarial devido à pandemia do novo coronavírus. “Assinei um contrato de dois anos com o Arta. Esta é uma oportunidade para promover o futebol do Djibouti,” escreveu Song no Twitter.

Para além de jogar futebol, o atleta de 33 anos vai supervisionar as camadas jovens do clube, dizem os meios de comunicação social locais. A decisão terá sido tomada após uma reunião entre Song e o presidente do cube.

O Djibouti está atualmente 185º lugar no ranking da FIFA, com 210 países. Já em África, estão no lugar 51, com apenas a Somália, as Seychelles e a Eritreia atrás.

Quanto ao Arta Solar 7, o ano passado o clube venceu a Taça do Djibouti e acabou a principal liga do país no quarto lugar. Como resultado da vitória na taça, o clube qualificou-se para a Taça da Confederação, a segunda competição continental de clubes mais importante de África.

Apesar de ter estado sem clube desde março, Song apareceu nas manchetes dos jornais por ter admitido a sua obsessão com o dinheiro e revelou que não tinha pensado duas vezes para trocar o Arsenal pelo Barcelona quando percebeu quanto ia ganhar em Camp Nou.

“Reuni-me com o diretor desportivo do Barcelona e ele disse-me que eu não ia jogar muitos jogos,” disse Song, acrescentando: “Estava-me nas tintas. Eu sabia que ia tornar-me milionário. Quando o Barcelona me ofereceu um contrato e eu vi quanto ia ganhar, não pensei duas vezes”.

Depois do Barcelona, onde ganhou a liga e uma supertaça de Espanha, Song regressou a Inglaterra para representar o West Ham e jogou ainda na Rússia, no Rubin Kazan.