Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Awet Andemeskel, o ciclista-refugiado, foi visitar a família à Etiópia e não dá sinais de vida há duas semanas. Há uma guerra na região

O ciclista da Eritreia foi encontrar-se com a mulher e o filho de ano e meio à Etiópia, onde vivem há três anos

Tribuna Expresso

Lusa

Partilhar

Andemeskel está habituado a viver num país em conflito. Durante o Mundial sub-23 em Verona, em 2013, o ciclista aproveitou para fugir da Eritreia. Agora, de regresso momentaneamente, viu-se envolvido numa situação complicada.

Após uma época conturbada com a Israel Cycling Academy devido à pandemia, Awet regressava com a família à Etiópia mas, a meio da viagem, começou uma guerra entre o governo etíope e as forças locais da região de Tigray. A zona foi bombardeada pelo próprio estado etíope, cujo exército dispara indiscriminadamente sobre a população.

Awet é um ciclista eritreu com estatuto de refugiado e passaporte sueco. Cumpre este ano a terceira temporada com a Israel Cycling Academy, que já lhe tinha dado a entender que não iria renovar-lhe o contrato em 2021. Este ano, foi um dos nove ciclistas da equipa a participar no Giro de Itália. A pandemia deu-lhe cabo da temporada, uma vez que apenas pôde disputar onze dias de competição. O seu resultado mais destacado do ano foi o oitavo lugar na Volta ao Ruanda.

“Estamos há muito a tentar entrar em contacto com ele, porque estamos a formar equipa para 2021 e precisamos de falar com ele, mas passaram muitos dias e começamos a ficar preocupados,” disse ao jornal “Marca” o representante de Andemeskel, Marcelino Pacheco. “Por sorte, uma irmã dele que vive na Suécia, disse-nos na terça-feira que estão escondidos, à espera de que tudo passe. As linhas telefónicas e da internet estão destruídas e as notícias sobre o conflito são poucas. Fala-se de que a guerra civil está próxima.”

O agente do ciclista prossegue: “Na mesma zona está também o nosso amigo Haile Melekot, (…) que dirige uma escola para jovens ciclistas na zona. (…) Também não temos notícias dele e tudo isto começa a preocupar-nos”. Enquanto o conflito prossegue, os dois ciclistas sobrevivem angustiados, esperando que tudo acabe para voltarem a pedalar.