Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Rio Ferdinand sobre Maguire e Bruno Fernandes: “Não acho que sejam líderes, sinceramente”

O antigo defesa do Manchester United e atual comentador televisivo deixou duras críticas à falta de disciplina no clube treinado por Ole Gunnar Solskjaer

Tribuna Expresso

Ina Fassbender / POOL

Partilhar

O início de temporada do Manchester United tem sido tudo menos tranquilo e o lugar que ocupa na classificação da Premier League dz tudo. O 10º lugar na tabela, com 13 pontos em oito jogos está longe do que o clube previa para esta altura, apesar de estar, para já, a fazer uma boa campanha na Liga dos Campeões.

O antigo defesa central do clube, Rio Ferdinand, considera que há falta de liderança no clube e aponta o dedo a Harry Maguire e a Bruno Fernandes, dizendo que nenhum dos dois é bom capitão. Ao canal BT Sport, Ferdinand disse: “Nós estivemos no jogo [WBA]. Não poder ser apenas o Ole a partir do banco ou o Mike Phelan e o Michael Carrick [adjuntos de Solskjaer]. Por vezes é preciso também um jogador”.

“O Bruno pode perder a bola porque é o criativo mas a verdade é que ele perdeu a bola muito facilmente, umas quatro vezes antes do intervalo.” Ao lado de Ferdinand, Gary Lineker mencionou Maguire e Fernandes como líderes no balneário e Ferdinand reagiu imediatamente: “Não penso que o sejam, sinceramente. Se precisares de ser brutal, não penso que algum deles mostre sinais de o ser”.

Sobre o português, Rio Ferdinand acrescentou: “Um jogador novo que toma a responsabilidade nas entrevistas e que em campo quer a bola e também tem essa responsabilidade. Mas não vejo ninguém que chame alguém e diga: ‘Perdeste a posse de bola muito facilmente nas últimas jogadas, vê se fazes as coisas como deve ser’”.

“Não ter adeptos no estádio é muito mau mas abriu-me os olhos para ver que não há muitos líderes a jogar futebol neste momento e o Man United está a sofrer com isso,” acrescentou Rio Ferdinand. Outra lenda do clube de Manchester, Paul Scholes, também disse: “É uma equipa silenciosa, demasiado silenciosa. E quando tens jogadores jovens como Rashford ou Martial, (…) por vezes é preciso mais orientação.”