Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

A pandemia provocou estragos em todos os desportos. Todos? Não, houve um que cresceu

De forma inesperada, a modalidade conquistou novos adeptos, recuperou os que tinham desistido e pôs muita gente a seguir o desporto em ecrãs de televisão

Tribuna Expresso

Andrew Redington

Partilhar

Apesar de todos os efeitos negativos originados pela pandemia e de que ouvimos falar diariamente, o convívio com a Covid19 popularizou muitas atividades inesperadas. Há quem tenha pegado em puzzles iniciados há 20 anos. Também há quem tenha decido deixar de dar lucro ao padeiro, cozendo pão em casa. Depois, em grande parte devido ao distanciamento social, o golfe ganhou novos adeptos e recuperou outros.

No início de 2020, os campos de golfe eram vistos como locais de encontro de pessoas de classe média-alta, uma forma de fazer negócio fora dos escritórios. Assim continuou até que as coisas ficaram mais sérias e fomos perdendo liberdades como forma de prevenção. Segundo a “Golf DataTech”, há um ano, nada fazia crer que 2020 fosse ser o melhor ano de sempre para a modalidade.

Nos EUA, quando os estados começaram lentamente a abrir-se às pessoas, no fim de abril e início de maio, os campos de golfe, com o normal distanciamento entre praticantes, foram um dos primeiros locais “seguros” a voltar à atividade “normal”. Segundo a CNN, rapidamente se gerou uma onda de interesse pela modalidade.

Em maio, o número de praticantes de golfe nos EUA cresceu 6,2% depois de uma queda de 42,2% nos últimos anos. A National Golf Foundation diz que, até agora, houve apenas um ano com um maior crescimento no interesse pela modalidade: 1997, o ano em que Tiger Woods se tornou popular.

Para praticar golfe, como seria de calcular, necessário ter equipamento próprio. As vendas relativas aos utensílios necessários para a modalidade, e não estamos a falar apenas de tacos, geraram, só nos EUA, mais de 388 milhões de dólares em julho, segundo o “Golf Datatech”.

“É fantástico ver o crescimento que a modalidade experienciou, mesmo tendo em conta a pandemia. O facto de as pessoas poderem jogar em segurança, no exterior, com distanciamento social é, sem dúvida, positivo,” diz Jeff Lienhart, responsável da Adidas para o golfe.

E não foi apenas a prática da modalidade que gerou uma onda de novos praticantes e o regresso daqueles que tinham desistido. 2020 viu aumentar consideravelmente o número de espetadores. A ESPN, por exemplo, anunciou que os números do Campeonato PGA de 2020 foram os melhores em cinco anos.