Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Lampard anda a ensinar os jogadores do Chelsea a não se abraçarem quando marcam golo

O treinador do Chelsea admitiu que tem andado a tentar orientar os seus jogadores no sentido de não se abraçarem na euforia da celebração de um golo. Lampard admite as dificuldades e Sam Allardyce, do WBA, chama “disparate” à intervenção do Governo. O responsável pela pasta da cultura e do desporto do Partido Conservador sugeriu cartões amarelos para quem se abraçar em campo

Tribuna Expresso

Phil Noble

Partilhar

Não foi há muito tempo que Lampard trocou de posição em campo, passando de jogador a treinador. Ou seja, o antigo internacional inglês deve ter memória do calor humano que se segue à marcação de um golo e é o primeiro a admitir as dificuldades de mudar comportamentos. No entanto, com a crise provocada pela pandemia, o técnico do Chelsea admitiu que tem tentado ensinar aos seus jogadores a refrear os ânimos imediatamente após os Blues faturarem.

Na Premier League, nem todos estão de acordo com a atitude de Frank Lampard. Sam Allardyce, técnico do WBA, aceitou as medidas impostas pela organização, mas falou de “um disparate absoluto”, referindo-se às ideias do Partido Conservador para o futebol.

A FA, a EFL e a Premier League emitiram um comunicado conjunto na noite de quinta-feira, apelando aos clubes que adiram às normas reforçadas da Covid19 e às regras decretadas pelo Governo de Boris Johnson, tanto fora como dentro de campo. Os governantes têm insistido que a época pode continuar calmamente se os jogadores colaborarem mas Lampard admitiu que não é fácil mudar comportamentos centrais da modalidade.

“Praticamos o distanciamento social o mais possível no campo de treino. No relvado pode ser mais difícil, mas no treino suponho que o instinto de abraçar os colegas será menos forte do que quando marcas um golo na Premier League,” disse Lampard. “É certamente algo que tento passar aos jogadores. Vemos muitos abraços de grupo agora, quando vencem, e isso é algo a que estarei mais atento.”

O comunicado das autoridades do futebol inglês diz: “O jogo tem uma responsabilidade e durante este período crítico, todos os envolvidos devem assegurar o cumprimento das regras decretadas pelo Governo”. “Temos visto o enorme contributo que os jogadores têm dado para este esforço nacional e eles têm de continuar a usar a sua influência para demonstrar a importância de seguir as regras.”

No documento pode ler-se ainda que os organizadores da Premier League estão “confiantes, numa altura que corresponde ao meio da época, que, com o apoio de todos, a campanha 2020/21 vai continuar até à sua conclusão, em maio”. O ministro inglês do Desporto, Nigel Huddleston, pediu o cumprimento “rigoroso” das regras no futebol e o responsável dos Conservadores pela cultura, média e desporto, Julian Knight, chegou a sugerior que os jogadores vejam o cartão amarelo por se abraçarem.

Sam Allardyce sublinha a necessidade de seguir as regras mas acrescenta: “Fico um bocado irritado com o facto de chamarem irresponsáveis aos jogadores. A intervenção do Governo tem sido disparatada com a confusão que estão a criar neste momento. (…) É irresponsável que o Governo queira intervir no futebol, eles precisam de olhar primeiro para a casa deles antes de virem para a nossa”.