Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Gascoigne e o pai: “Saltei para a cama e bati-lhe. Vinguei-me. Depois abracei-o durante 45 minutos"

Foi um dos jogadores mais talentosos de sempre no futebol inglês. Foi também um dos mais problemáticos. Há muitos anos que Paul Gascoigne luta contra o alcoolismo. O ex-futebolista confessa que se quis vingar do pai por este o ter mandado para uma clínica de saúde mental, em 2010 - fê-lo num contexto complicado, no leito de morte do progenitor. Aconteceu depois de ter visitado um homem que assassinou vários polícias e de ter consumido 14 linhas de cocaína

Tribuna Expresso

Getty Images

Partilhar

Em campo era capaz de jogadas brilhantes. Fora dele (ou por vezes ainda dentro) era controverso, ocasionalmente cómico – como na situação em que um árbitro ergueu o braço para mostrar um cartão amarelo a outro jogador e Gascoigne aproveitou para cheirar o sovaco do juiz – e muitas vezes trágico. Nada como o que o antigo internacional inglês acaba de revelar.

Em entrevista a um podcast, Gazza, como é conhecido, admitiu ter esmurrado o cadáver do pai pouco depois de este ter falecido no hospital. Gascoigne diz que o fez por “vingança” devido a questões do passado, como o facto de John Gascoigne ter enviado o filho para uma clínica de saúde mental.

John Gascoigne morreu de cancro, em 2018, com o filho ao lado. Paul assume que não lidou bem com a morte do pai mas dizê-lo desta forma é pouco, muito pouco para o que aconteceu. “Estávamos os dois sozinhos quando ele morreu. Eu saltei para cima da cama e esmurrei-o (…) para me vingar dos tempos em que eu era mais novo. Depois abracei-o durante 45 minutos.”

As atitudes de Gazza, complexas e mesmo contraditórias, espelham a degradação da sua saúde mental ao longo dos anos. A dependência do álcool e da cocaína terão dado uma ajuda, alimentando a loucura. Na mesma entrevista, o ex-futebolista disse-se próximo do pai, com quem viajava frequentemente. “Eu adorava levá-lo à volta do mundo quando eu ainda jogava. (…) Provavelmente foram mais os bons momentos [com o pai] do que os maus.

“Devo ter comprado para o meu pai uns 80 carros e 18 barcos e casas. Quando me divorciei, dei muito dinheiro à minha família. Gastei muito dinheiro em casas, comprando ou alugando em sítios diferentes,” contou o antigo jogador de Newcastle, Tottenham, Lazio, Rangers, entre outros.