Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Mesmo no fim da vida, Maradona é que mandava: "Esmagavam-lhe os comprimidos e punham-nos na cerveja"

A psicóloga do filho mais novo do astro argentino revelou em tribunal novos dados sobre os últimos dias de Maradona

Tribuna Expresso

Massimo Sambucetti

Partilhar

Ao longo do tempo, mais figuras ligadas direta ou indiretamente a Diego Armando Maradona vão acrescentando histórias aos últimos tempos da vida do astro argentino. Agora é a vez de Griselda Morel, psicóloga do filho mais novo de Diego, Dieguito Fernando.

A cozinheira de Maradona terá contado que “um dos cuidadores (…) esmagava os comprimidos e punha-os na cerveja de Diego. (…) Este não dormia e a ordem para esmagar os medicamentos tinha partido do próprio Maradona. “Tudo era a mando dele. Se Diego se levantasse às 9 da manhã e pedisse cerveja, davam-lhe,” disse a psicóloga em tribunal.

Morel contou também que “Diego não queria receber ninguém. Eu vi-o mas nem se via a cara, de tão inchado que ele estava”. Griselda Morel falou também da conversa que teve com um massagista do antigo jogador. “Não caminha e pode fazer um edema cardiopulmonar,” contou o massagista.