Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

"Só pode ser adepto do Arsenal": depois da derrota no dérbi, Mourinho cai em cima da arbitragem

O Tottenham de José Mourinho esteve a ganhar, permitiu a reviravolta e acabou por perder o jogo com um dos maiores rivais, o Arsenal. Frustrado, o treinador português vingou-se na arbitragem

Tribuna Expresso

Clive Rose

Partilhar

Depois da derrota com o Arsenal, José Mourinho estava claramente desagradado com a prestação da equipa de arbitragem. Num dos mais importantes dérbis de Londres, o Tottenham permitiu a reviravolta no marcador e a vitória por 1-2 dos Gunners. O técnico português escolheu o árbitro do jogo como alvo para o mau resultado.

Segundo Mourinho, a grande penalidade que deu origem ao segundo golo da equipa treinada por Mikel Arteta não deveria ter sido assinalada. Para o setubalense, a falta não existiu.

O treinador dos Spurs ironizou ao seu estilo habitual: “Os árbitros não dão entrevistas depois dos jogos? É pena”. Mourinho admitiu que, na primeira parte, a sua equipa jogou “muito mal”. “Sem intensidade, não pressionámos, não atacámos. Na segunda parte, tivemos mais espaço e melhorámos,” admitiu o português para, de seguida, voltar ao tema da arbitragem: “O resto é uma boa questão para o Michael Oliver e para o Paul Tierney (árbitro e VAR), infelizmente nunca vamos saber (o que pensam) porque eles não falam”.

José Mourinho defendeu que, para assinalar a grande penalidade que derrotou os Spurs, é preciso “ser um grande adepto do Arsenal, com bilhete para a época”. “Se assim for, aceito, é a paixão a falar. Os jogadores cansam-se, os treinadores cansam-se, talvez os árbitros também se cansem,” atirou o treinador que vai, certamente, sofrer algum tipo de castigo por parte da Premier League.