Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Miguel: "Eu sou daqueles que preferem apoiar em vez de criticar, mas o Benfica está aquém"

Aos 41 anos, o antigo lateral direito do Benfica e do Valência parece afastado dos relvados mas não é bem assim. Miguel trabalha com uma empresa de agenciamento de jogadores e mantém-se atento ao futebol português, particularmente ao clube do coração, o Benfica

Tribuna Expresso

Partilhar

O antigo internacional português está ligado ao futebol através da empresa de agenciamento de jogadores Royal 45. Miguel é responsável por observar e mandar observar potenciais talentos nas camadas de formação. Quanto ao Benfica, as suas observações cumprem uma dupla função: profissional e de adepto.

Miguel fez 161 jogos com a camisola das Águias e marcou 13 golos antes de seguir para Valência, onde também deixou a sua marca. Mas o clube do coração é mesmo o Benfica. Tanto que o ex-futebolista ainda não perdeu a fé, como deu a entender na entrevista concedida ao jornal “A Bola”.

“Não é o Benfica de que estávamos à espera, as pessoas tinham expetativas muito altas com a chegada de Jesus e, na realidade, de bom só houve aquele início de época,” afirmou Miguel, que considera que os problemas começaram logo na pré-eliminatória da Liga dos Campeões, “no primeiro jogo contra o PAOK (1-2), mas depois vieram as vitórias”.

O empresário admite alguma desorientação a certa altura: “Não se notava a mão do treinador e via-se uma equipa um pouco perdida. Parece que os resultados estão a ajudar agora, há algum otimismo, eu sou daqueles que preferem apoiar em vez de criticar. Prefiro acreditar que o Benfica vai chegar à Liga dos Campeões e que para o ano fará uma época à sua altura”.

Quanto a jogadores, Miguel destaca as prestações de Diogo Gonçalves e aprova a adaptação a lateral do jovem da formação benfiquista. Indo mais longe, o antigo jogador do Benfica afirma que André Almeida, com a sua experiência, pode ser uma grande ajuda para Gonçalves.

Do seu tempo de jogador, Miguel recorda dois companheiros fundamentais para o seu sucesso com a camisola encarnada: Petit, que “era uma carraça”, e Tiago, o talentoso médio que acabaria por representar vários clubes na Europa e tenta agora dar início a uma carreira de treinador.