Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Gonzalo Plata jogou pelo Sporting B, desrespeitando o regulamento, e pôs o Campeonato de Portugal em guerra

A utilização do internacional equatoriano da equipa A num jogo do Sporting B gerou controvérsia e pôs clubes como Marítimo B, Pedras Rubras, Oriental Dragon e Estrela da Amadora em conflito. O problema está na forma como cada um interpreta os regulamentos, escreve o "Jornal de Notícias"

Tribuna Expresso

NurPhoto

Partilhar

Qualquer um dos clubes acima referidos é parte interessada no caso que envolve a equipa B do Sporting e o jogador Gonzalo Plata, considerado “de equipa A”. De acordo com os regulamentos do Campeonato de Portugal, nenhuma equipa B pode utilizar um jogador do seu plantel principal nas últimas três jornadas da prova. O castigo pode implicar a perda de três pontos, para além de uma pena acessória. Numa altura de luta acesa pela promoção à divisão superior, se os Leões forem castigados, o Estrela da Amadora pode festejar o apuramento para a fase de subida.

No dia 14 de março, o Marítimo B jogou com o Pedras Rubras, vencendo por 1-0 fora de casa. Os madeirenses usaram nessa equipa três jogadores dos A: Mosquera, Diego e Kibe. O clube da Maia protestou, no entanto, o Conselho de Disciplina da FPF arquivou a queixa com a justificação de o Marítimo B ter ainda jogos referentes às jornadas 12, 17 e 22. Devido às jornadas em atraso, a partida em causa não pode ser considerada uma das últimas três a serem jogadas, diz o “Jornal de Notícias”, que teve acesso ao relatório.

Seis dias mais tarde, o Sporting B venceu o Oriental Dragon. Gonzalo Plata foi um dos jogadores utilizados e a polémica renasceu. O jogo foi o antepenúltimo dos Leões na fase regular, o que originou uma queixa do Oriental Dragon, com o Estrela da Amadora a juntar-se aos protestos mais tarde. Segundo o “JN”, a Federação Portuguesa de Futebol planeia debruçar-se sobre o tema hoje, sexta-feira.

Mas, o que faz de um jogador “de equipa A”? De acordo com os regulamentos, qualquer atleta que tenha sido utilizado num jogo da equipa principal leva o carimbo e passa a ser considerado como pertencente ao plantel A. Tanto os jogadores usados pelo Marítimo B como Plata encaixam, portanto, na definição de futebolistas da equipa principal dos respetivos clubes. Luiz Phellype, avançado do Sporting, por exemplo, é considerado um jogador de equipa B por não ter sido ainda utilizado por Rúben Amorim.

João Rodrigues, diretor desportivo do Pedras Rubras, disse ao “JN” que o clube aguarda “que seja reposta a verdade” e que “a transparência que FPF tanto apregoa seja posta em vigor”.