Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Presidente do Santa Clara poderá ser afastado do cargo. Em causa está uma ação judicial por insolvência culposa de uma empresa sua

Rui Cordeiro, contactado pelo "Record", referiu que está disponível para esclarecer a situação mas apenas perante a justiça. "Entregarei o assunto aos meus advogados. Vou continuar a fazer o meu trabalho em defesa do Santa Clara e esclarecerei tudo”

Tribuna Expresso

Rui Cordeiro, presidente do Santa Clara

CD Santa Clara

Partilhar

Rui Cordeio, presidente da SAD e do clube açoriano, pode ser afastado dos cargos pelo Ministério Público. Em causa está um caso de insolvência culposa contra o dirigente do Santa Clara, relacionada com a Azores Parque, antiga empresa municipal de Ponta Delgada, e que foi adquirida pela Alixir Capital por 500 euros. O passivo é de 11 milhões.

De acordo com a notícia do jornal “Record”, a negócio ocorreu em maio de 2019 mas, oito meses mais tarde, a empresa foi declarada insolvente. Alguns os negócios feitos na tentativa de salvar a empresa foram considerados ruinosos pelo tribunal.

A sociedade envolvia Khaled Saleh, um ex-administrador da SAD do Santa Clara, e Carlos Silveira, que beneficiavam do apoio jurídico de Rui Cordeiro. No entanto, para o tribunal, este último era o líder do grupo e não um mero assessor.

Um documento emitido pelo Tribunal de Ponta Delgada afirma que “a Alixir Capital serviu para a passagem de dinheiro da Azores Parque para o Santa Clara”. O tribunal assume “a firme convicção de que Rui Cordeiro era de facto, o gerente da Azores Parque e a delapidação do património foi a mando e no interesse de Rui Cordeiro”.