Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Benfiquistas insatisfeitos com Jesus. "É com este líder, que diz que a culpa é da Covid, que vamos para a próxima época"

Sem qualquer troféu, o Benfica de Jorge Jesus disfarça a insatisfação dos adeptos porque não há público nas bancadas a mostrar o descontentamento com a época. Pouco condizente com os gastos do verão passado, a equipa perdeu a hipótese de colocar mais uma Taça de Portugal no Museu Cosme Damião. O "Record" falou com algumas figuras públicas benfiquistas e ficou com uma (pequena) amostra do que pensam os adeptos do Benfica

Tribuna Expresso

CARLOS COSTA

Partilhar

Quem levou a Taça de Portugal foi o Sporting de Braga, depois de um jogo complicado, com o Benfica reduzido a 10 desde muito cedo. Os Encarnados mostraram-se incapazes frente a uma equipa muito motivada, dominadora, aproveitando bem o facto de ter um elemento a mais.

A época acabou de forma inglória para o clube da Luz, que tinha investido como nunca no plantel e contratado uma cara conhecida para orientar a equipa, depois de ter conquistado o Brasil. Facilmente imaginamos que, a haver público nas bancadas, a exigência benfiquista ter-se-ia ouvido durante o jogo de ontem. O jornal “Record” reduziu a amostra e ouviu três conhecidos adeptos do Benfica.

De acordo com Diamantino Miranda, treinador e antigo jogador das Águias, a vitória do Sporting de Braga foi “justa”. Já a expulsão do guarda-redes Helton Leite…: “A expulsão não me pareceu razoável, (…) o Abel Ruiz não ia na direção da baliza”. Apesar disso, Diamantino não tem dúvidas de que “o Benfica não tinha demonstrado superioridade até aí”.

António Manuel Ribeiro, conhecido adepto do Benfica e vocalista dos UHF, considerou que a final da Taça de Portugal “foi um jogo muito feio de se ver, não houve beleza”. O músico diz que “o Benfica não se encontrou e a expulsão arrumou com a hipótese de vencer, os minutos finais foram deprimentes”. Em conclusão, o líder dos UHF considera que foi uma “temporada muito triste”.

Já o ator Jorge Corrula coloca a época do Benfica ao nível de uma “tragédia grega” e explica: “Primeiro com a eliminação frente ao PAOK e, agora, com uma saída infeliz do Vlachodimos”. Crítico do treinador das Águias, Corrula não tem dúvidas: “A liderança de Jesus não merecia outro desfecho. É com este líder, que diz que a culpa é da Covid, que vamos para a próxima época”.