Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

"Não têm limites?!" Pavón, jogador do Boca Juniors, teve de desmentir as notícias sobre a própria morte

Cristian Pavón "é" argentino e "joga" no Boca Juniors. Convém acentuar a conjugação dos verbos no presente. É que o avançado, indignado com as notícias que davam conta da sua morte, foi obrigado a vir declarar-se vivo e de boa saúde. Talvez um pouco enervado com o que leu nas redes sociais

Carlos Luís Ramalhão

ALEJANDRO PAGNI

Partilhar

A frase do escritor americano Mark Twain é citada muitas vezes. Talvez até se tenha tornado cliché mas, pelos vistos, não perdeu atualidade. Quando questionado acerca do rumor de que tinha morrido, Twain respondeu: “Acho que a notícia da minha morte é um pouco exagerada”.

O mesmo poderá dizer Cristian Pavón. Se o jogador do Boca Juniors não tiver a veia humorística do autor de Tom Sawyer, pode simplesmente aparecer ou afirmar com a devida gravidade que está vivo e de boa saúde. No século XXI, isso faz-se nas redes sociais.

Pavón questionou com veemência os autores do rumor mórbido: "Não têm limite? Alguma vez vão viver as vossas vidas e deixar as dos outros?”. O avançado descansou as pessoas mais próximas e os fãs que eventualmente estivessem a preparar-se para acompanhar o cortejo fúnebre: “Para todos os que se preocuparam, estou melhor do que nunca", publicou Pavón no Instagram.

Aos 25 anos, Pavón parece estar de saída do clube mas, à partida, vai fazê-lo pelos próprios pés. As opções referidas pela imprensa argentina são: Marselha, América do México ou um regresso à MLS. Ninguém refere outros campeonatos, de outra profundidade.