Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

"Sou um tipo complicado". Mourinho foi ao programa de James Corden fazer um balanço da carreira

O treinador português foi o convidado do célebre apresentador britânico radicado nos EUA. Mourinho passou em revista os momentos bons e os maus da sua carreira, com particular destaque para os anos que leva no estrangeiro. E não seria Mourinho se não aproveitasse para deixar uns recados

Tribuna Expresso

Visionhaus

Partilhar

Quando relaxa, José Mourinho é bem-humorado e consegue ser um verdadeiro “entertainer”. Num programa como o de James Corden, isso acontece facilmente, com a condução do apresentador inglês. Não que Mourinho tenha ido dar uma volta de carro com Corden na famosa rubrica. Foi em estúdio que o treinador português mais mediático aceitou contar algumas das muitas histórias na sua carreira até agora.

Os títulos ganhos

“Ganhei 25 títulos e meio. O ‘meio’ é a final que não joguei com o Tottenham,” atirou Mourinho, em jeito de provocação. “Não importa se é a primeira final ou a número 20 ou 50, uma final é sempre um sonho. Mas uma final em Wembley é mais do que um sonho e ter a oportunidade de vencer um troféu com um clube que não tem muitos é um sonho a dobrar,” referiu o português, que foi despedido pelos proprietários do Tottenham antes da final da Taça de Inglaterra.

As seleções e as ofertas recusadas

“Quando estava no Real Madrid, ofereceram-me o cargo de selecionador de Portugal. Foi uma oferta louca por um trabalho a tempo parcial. Também me ofereceram o mesmo cargo na seleção inglesa quando deixei o Chelsea. É o tipo de trabalho de que desfrutarei mais à frente, penso eu,” contou o Special One.

A relação com os jogadores

“Perdi duas semifinais da Liga dos Campeões em penaltis. Quando confio os meus sentimentos aos meus jogadores, não funciona. Por exemplo, no Chelsea-Liverpool, um dos jogadores não estava na lista para marcar penaltis. Veio ter comigo em pleno relvado e perguntou: ‘Sou o primeiro ou o quinto?’ Respondi-lhe: ‘És o sexto ou o sétimo”.

Ser segundo não chega

“Quando ganhámos a Liga Europa e a Taça com o Manchester United, pensei que, para o passo seguinte, os jogadores que tinha não eram suficientes. Nessa época, as pessoas diziam: ‘Grande temporada, acabaste em segundo’. Eu dizia: ‘Somos segundos, foi uma época negativa’.

Previsões para o Euro 2020

“Inglaterra pode ganhar o Europeu, mas vejo que a França tem um plantel incrível. À parte disso, não vejo uma equipa que seja melhor do que as outras,” respondeu Mourinho, não referindo Portugal.

A Superliga Europeia

“Sabia que o projeto estava em marcha. A forma como as pessoas reagiram foi assombrosa. Sou um amante de futebol. Essa reação emocionou-me.” Quando foi despedido pelo Tottenham, circularam rumores de que a sua saída estaria relacionada com o choque entre as ideias do treinador e as da administração do clube londrino sobre a Superliga Europeia.

As complicações de Mourinho, setubalense e viciado em desporto

“Sou um tipo complicado. Estou completamente viciado em desporto. Vou estar viciado nos Jogos Olímpicos, na Fórmula 1, no ténis. Há um desporto que não entendo: o cricket. Quando trabalhava com Sir Bobby Robson, não conseguia entender como ele amava essa modalidade.” Falando de gastronomia, Mourinho admitiu que, apesar de ser de uma terra de pescadores, prefere a carne. E na música, o técnico prefere “Bryan Adams, Bruce Springsteen e U2”. Quanto à cidade de que mais gosta? “Setúbal, a minha cidade.”