Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Rio Ferdinand duro com Lloris depois da falta sobre Danilo: "Parecia um murro num combate UFC"

O antigo defesa central do Manchester United e da seleção inglesa teceu duras críticas à forma como o guarda-redes e capitão da equipa francesa abordou o lance em que acabou por dar um murro em Danilo. A falta resultou em grande penalidade convertida por Ronaldo

Tribuna Expresso

DARKO BANDIC

Partilhar

Vários analistas da BBC, maioritariamente ex-jogadores, criticaram o guarda-redes francês Hugo Lloris, titular do Tottenham, pelo lance que deu a Danilo uma dor de cabeça e a Portugal o primeiro golo no encontro. O guardião quis afastar a bola mas acertou em cheio na cabeça de Danilo Pereira, deixando o médio do PSG em mau estado.

O árbitro apontou para a marca de grande penalidade e Cristiano Ronaldo tratou do resto. Apesar dos protestos de alguns jogadores franceses, a dureza do lance – ninguém põe em causa a intenção de Lloris que quis, notoriamente, afastar a bola – justificou a decisão do árbitro.

Alguns comentadores admitiram que, normalmente, os guarda-redes conseguem “safar-se” com lances do género. No entanto, neste caso em concreto, o painel da BBC foi unânime. Alan Shearer, o antigo goleador inglês, disse que era um penálti “claro” e acrescentou: “O Danilo chegou primeiro à bola e Lloris não calculou bem o momento de sair da baliza”.

O antigo defesa do Manchester United e de Inglaterra, Rio Ferdinand, disse que Lloris “não teve controlo sobre o seu corpo e, ao sair com aquela velocidade, faz com que pareça um murro num combate UFC”. “Os guarda-redes são uma espécie protegida nestes lances, por isso fiquei feliz por ver o penálti assinalado. Foi (um lance) perigoso, irresponsável e definitivamente merecedor de um penálti,” acrescentou Ferdinand.

Também a lenda – e ex-treinador – do Chelsea, Frank Lampard juntou a sua voz ao coro de críticas a Lloris: “Os guarda-redes têm sido desculpados durante anos. Mas quando sais a murro e àquela velocidade, é perigoso e irresponsável”.

Não faltaram lances de grande penalidade para analisar no Portugal-França, uma vez que três dos quatro golos resultaram de faltas nas duas áreas. Ainda antes do intervalo, Nélson Semedo cometeu falta sobre Benzema, o que resultou no empate da seleção francesa. Na segunda parte, Ronaldo voltou à marca de grande penalidade para empatar novamente o jogo – Benzema tinha marcado o golo da vantagem francesa, o único que resultou de um lance corrido – depois de uma mão na bola por Jules Kounde.