Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

De Wilde, antigo guarda-redes do Sporting: "É o momento certo para a Bélgica. É favorita e de Bruyne resolve"

A lista de belgas que passaram pelo futebol português não é extensa. Witsel brilhou no Benfica, Vertonghen chegou o ano passado. Mas, se recuarmos umas décadas, vamos encontrar dois grandes guarda-redes: Michel Preud'homme, nas Águias, e Filip de Wilde, nos Leões. Este último fez a antevisão do Portugal-Bélgica para o jornal "A Bola"

Tribuna Expresso

Icon Sport

Partilhar

No Sporting, foram menos de duas épocas. Não tendo deixado em Alvalade o equivalente ao que o compatriota Preud’homme deixou na Luz, de Wilde conseguiu mostrar qualidade e mereceu o respeito dos adeptos. O jornal “A Bola” quis ouvir do antigo futebolista o prognóstico para o Portugal-Bélgica que se avizinha.

O ex-guarda-redes não tem dúvidas: “Penso que vai ser um jogo difícil para a Bélgica, que sempre esperou não jogar com o terceiro classificado do grupo da morte, onde estava Portugal”. No entanto, para de Wilde, a sua seleção parte com alguma vantagem: “Penso que a Bélgica é favorita. Fez um apuramento para o Euro 2020 só com vitórias, o mesmo na fase de grupos e não é surpresa ser líder do ranking da FIFA. Tudo isto confirma o estatuto do futebol belga e agora é o momento certo para ganhar títulos”.

No próximo domingo estaremos perante duas das mais talentosas seleções do mundo. Coletiva e individualmente, tanto Portugal como a Bélgica estão recheados de jogadores de elite. De Wilde considera que a partida vai ser resolvida num lance individual: “A Bélgica tem grandes jogadores, como o ponta de lança Lukaku ou o médio ofensivo de Bruyne e também um guarda-redes de classe mundial, Courtois”.

De entre os talentos que deixam os belgas otimistas, o antigo guardião elege de Bruyne como o homem que pode resolver o jogo. “É um jogador que pode fazer a diferença, um jogador completo,” diz o antigo internacional.

Filip de Wilde vê na atual seleção uma geração de ouro do futebol belga, mas admite que a maioria desses jogadores já passou a casa dos 30 anos, o que apressa o desejo de conquistar os títulos que nunca alcançaram com a camisola do seu país. Para o ex-Sporting, a prestação da Bélgica neste Europeu e no Mundial do próximo ano é vital.