Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

O Barcelona comprou Agüero e Depay, mas não os pode inscrever: excedeu o limite salarial da La Liga. E ainda falta renovar com Messi

O clube catalão tem investido em força na nova época, baseando-se nos desejos de Ronald Koeman. Vieram Sergio Agüero, do Manchester City, e Memphis Depay, do Lyon, contratados a custo zero. Mas os valores dos ordenados ultrapassam os limites impostos pela liga espanhola para a inscrição de jogadores

Tribuna Expresso

PAU BARRENA/Getty

Partilhar

O Barcelona vive dias muito complicados em termos financeiros. Não é propriamente novidade, mas a situação vai-se agravando e chega a ser insólita. Dois grandes jogadores juntaram-se à equipa orientada por Ronald Koeman - Agüero e Depay chegaram a custo zero, mas o grande investimento é, nos casos do argentino e do holandês, o salário elevado.

Com esse fator a ser tido em conta, o clube catalão já ultrapassou o limite imposto pela La Liga e não pode sequer inscrever os jogadores que acabou de contratar.

Para piorar a situação, há um dossiê antigo e sensível aos ponteiros do relógio. Lionel Messi é, neste momento, um agente livre cujo contrato expirou a 30 de junho. As negociações com o argentino prosseguem, mas o clube precisa de se ver livre de alguns salários para poder mantê-lo. Messi encontra-se neste momento ao serviço da seleção, na Copa América.

Segundo o “Daily Mail”, alguns jogadores estão a ser empurrados para a porta de saída e há um português entre eles. Francisco Trincão, uma das grandes promessas lusas, foi emprestado ao Wolverhampton de Bruno Lage, com os ingleses a ficarem com a opção de compra.

Mas há mais casos, como Konrad de la Fuente, vendido ao Marselha, ou Todibo, que se mudou para Nice. Samuel Umtiti, Philippe Coutinho ou Miralem Pjanic foram postos na montra e o Barcelona espera, com essas vendas, conseguir tirar €200 milhões da folha salarial.

Quem deve estar bastante preocupado é Ronald Koeman.

O antigo treinador do Benfica teve uma primeira época pouco brilhante ao serviço da equipa em que brilhou como jogador. O Barcelona terminou a La Liga em terceiro lugar, atrás dos dois rivais de Madrid. O lugar de Koeman poderá ser posto em causa se a equipa catalã não mostrar outras ambições, o que será difícil se considerarmos a situação do clube.