Tribuna Expresso

Perfil

Revista de Imprensa

Benfica. Bem-vindo, "presidente" Rui Costa? Atual vice-presidente poderá acumular cargos

Rui Costa poderá ocupar o lugar de Luís Filipe Vieira nos próximos tempos, sugere o jornal "Record". O presidente do Benfica foi detido e não poderá exercer as suas funções no clube durante um período que se prevê longo. Em caso de demissão de Vieira, poderá ser Rui Costa, enquanto vice-presidente e administrador da SAD, a acumular cargos

Tribuna Expresso

Gualter Fatia

Partilhar

O presidente do Benfica, Luís Filipe Vieira, foi ontem detido mas a vida continua. Até porque, como os comunicados da SAD e da direção do Benfica fizeram questão de esclarecer, o clube alega não ter qualquer relação com o processo em que o seu líder se viu envolvido.

Os comunicados foram emitidos na quarta-feira, depois de a direção do Benfica ter reunido de urgência. Nenhuma das mensagens perde tempo com pormenores, fazendo questão de distanciar o clube e a SAD do processo em causa e procurando esclarecer o protocolo nestas situações.

Na ausência de Luís Filipe Vieira e apesar de os estatutos do Benfica serem bastante omissos a prever casos desta natureza, um dos vice-presidentes poderia assumir o cargo perante a impossibilidade de o presidente da direção poder exercer o cargo.

Neste caso, seria o primeiro vice-presidente na lista dos vários que constituem a direção a assumir as funções e, segundo escreve o "Record", seria Rui Costa a ocupar o lugar. O jornal diz que Luís Filipe Vieira poderá ter deixado indicação específica para que, de entre os vários vice-presidentes, seja o antigo jogador do clube o escolhido.

O facto de Rui Costa ser também administrador da SAD deverá ter tido algum peso na decisão.

A SAD continuará a contar com Domingos Soares de Oliveira como CEO. Vendas, empréstimos e aquisições seguirão o seu caminho, com Rui Costa a usar do seu prestígio para ajudar a resolver situações de eventual impasse, como a de João Mário.

Diga-se que nenhum dos comunicados se coloca claramente do lado de Luís Filipe Vieira, dando a ideia de um afastamento propositado das ações do presidente do Benfica enquanto cidadão individual.