Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Fórmula 1 ao rubro após acidente de Hamilton e Verstappen. Tático ou incidente de corrida? A discussão continua

Os dois grandes candidatos ao título de pilotos na Fórmula 1 chocaram na pista de Monza, no Grande Prémio de Itália. Inevitavelmente, tanto pilotos como respetivos chefes de equipa discordam da natureza do acidente

Tribuna Expresso

A relação entre Hamilton e Verstappen já viveu dias melhores

Mark Thompson

Partilhar

Rivalidade é coisa que nunca faltou na Fórmula 1. De facto, no dia em que esse picante faltar, mais vale fechar as portas do tasco. Até há pouco tempo, o grande rival de Lewis Hamilton era Sebastian Vettel. Com o alemão na pré-reforma, emergiu um jovem holandês de apelido familiar para aqueles que seguem a Fórmula 1 há mais de 15 anos. Max Verstappen é destemido, por vezes talvez demais, se é que “demais” existe no dicionário de Max e da própria F1.

No domingo, os dois principais candidatos ao título de 2021 quiseram apimentar ainda mais as coisas, acabando por anular-se um ao outro da prova italiana, deixando Daniel Ricciardo com aquele sorriso aberto e a McLaren saudosista de outros tempos. Finda a jornada, começou o debate. E, como é óbvio, nem os pilotos nem os seus chefes assumem a culpa do acidente. Na estrada, teria de ser chamada a polícia.

Toto Wolff, diretor da Mercedes, considerou que o acidente foi “tático”. Por outro lado, Christian Horner, líder da Red Bull, desvalorizou o choque, chamando-lhe “incidente de corrida”. A verdade é que os juízes da prova não foram em cantigas e Verstappen acabou punido com uma queda de três lugares na grelha de partida do Grande Prémio da Rússia, o que não vem nada a calhar na corrida pelo título.

Citado pelo site oficial da F1, Verstappen disse: “Vimos que ia ser apertado na curva um e o Lewis também se apercebeu disso. Depois da linha branca ele chegou-se para a esquerda, a travar. Por isso eu tive de ir pela zona verde ao lado da pista”. Hamilton apresenta inevitavelmente a sua versão dos factos: “Estávamos à frente, tivemos uma paragem nas boxes um pouco lenta, saímos, travámos na curva um. Eu fiz questão de deixar o espaço de um carro na parte de fora da pista e já estava a atacar a curva quando o Max foi por cima do pavimento ou algo do género. Ele sabia obviamente que não ia conseguir fazer a curva e veio contra mim. A seguir, tinha-o em cima de mim. Por isso, foi um incidente infeliz e falaremos certamente com os juízes depois disto”.

Wolff ficou satisfeito ao ver que os juízes partilhavam da sua opinião. Após a avaliação, as autoridades decidiram que Verstappen tinha sido “o principal culpado”, castigando-o então na grelha de partida do próximo grande prémio, em Sochi. O austríaco afirmou: “Eu diria que aquilo foi o que no futebol se chama ‘falta tática’. O Max provavelmente sabia que, se o Lewis continuasse à frente, teria ganho a corrida. (…) Era evidente que ia acabar em acidente. (…) Até onde iremos?”

Horner discordou do diretor da Mercedes, como seria de prever. “Estou desiludido que o Toto tenha considerado o acidente uma ‘falta profissional’. Eu considero que é um incidente de corrida e felizmente ninguém se magoou,” referiu o inglês da Red Bull.

Refira-se que o acidente de Monza foi o terceiro entre os dois rivais em 2021. O primeiro foi na mítica pista de Imola e o segundo em casa de Hamilton, em Silverstone.