Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

A confissão de Simone Biles: “Nunca deveria ter feito parte de outra equipa olímpica”

A jovem ginasta norte-americana considera que não devia sequer ter ido aos Jogo Olímpicos de Tóquio. Quatro vezes campeã olímpica, Simone Biles venceu duas medalhas no Japão (prata e bronze), mas abdicou de competir em cinco de seis finais, alegando a pressão e a sua saúde mental, passou a maior parte do tempo a aplaudir as companheiras de seleção

Carlos Luís Ramalhão

Laurence Griffiths/Getty

Partilhar

Em entrevista à “New York Magazine”, Simone Biles, de 24 anos, diz que “nunca deveria ter feito parte de outra equipa olímpica” depois de tudo o que passou “nos últimos sete anos”. Em 2018, a jovem contou em público que foi abusada fisicamente por Larry Nassar, o antigo médico da equipa de ginástica dos EUA, atualmente.

“Foi demasiado. Mas eu não ia deixar que ele me tirasse algo para o qual eu trabalhei desde os seis anos. Não ia deixá-lo tirar-me essa alegria,” argumenta Biles, que se tornou um símbolo da importância da saúde mental no desporto. “Ignorei o caso tanto quanto a minha mente e o meu corpo deixaram,” acrescentou.

Esperava-se dela que ganhasse mais algumas medalhas de ouro em Tóquio. No entanto, Simone nem sequer participou em cinco das seis finais para as quais se qualificou com a esperada facilidade. Na altura, Biles surpreendeu o mundo ao dizer que tinha de se “focar na saúde mental”. Mais tarde, a sorridente norte-americana admitiu ter sofrido alguns “twisties”, um bloqueio mental perigoso que acontece enquanto as ginastas estão no ar e consiste numa perda de orientação.

Com quase tantos títulos mundiais como anos de vida — 19 troféus, 24 anos de idade — Simone Biles admite que competir com “twisties” é “basicamente vida ou morte”. “É um milagre ter conseguido aterrar de pé,” desabafa.

Biles contou também que, mal aterrou em Tóquio, começou a ter crises de ansiedade, em parte devido às restrições impostas pela pandemia e que impediram a presença dos fãs e das famílias nas bancadas dos recintos desportivos. “À medida que se aproximava [a abertura dos Jogos] fiquei cada vez mais nervosa. Não me senti tão confiante como devia,” admitiu.

  • Just in time, Simone Biles encontrou-se
    Jogos Olímpicos

    Estes iam ser os Jogos Olímpicos de Simone Biles. E foram os Jogos Olímpicos de Simone Biles. Ela não foi a primeira nem será a última a falar da importância da saúde mental, mas nunca ninguém o fez com tamanho estrondo, em tamanho palco. Esta terça-feira, depois de desistir de quatro finais, competiu na última, na trave. Foi bronze, mas ganhou. Como diria outra Simone, a Nina, ela encontrou-se, mesmo a tempo

  • É OK não estar OK
    Jogos Olímpicos

    Saúde mental. Ao expor as suas vulnerabilidades e admitir que precisa de ajuda, a extraordinária ginasta Simone Biles poderá ajudar a salvar muitas vidas

  • Perceção do risco, estigma de super-herói ou pressão esmagadora, o que está a acontecer com Simone Biles?
    Jogos Olímpicos

    A decisão da campeoníssima Simone Biles, de quem tudo se espera, em retirar-se de duas provas nos Jogos Olímpicos, justificando-a com a sua saúde mental, pode dever-se a vários fatores, segundo Ana Bispo Ramires, psicóloga clínica e do desporto, e Pedro Roque, diretor-desportivo do Comité Olímpico de Portugal que foi treinador de ginástica artística feminina durante mais de 25 anos