Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Abel está novamente na final da Libertadores com o Palmeiras e fez um gesto de mandar calar. Mas quem? “O meu vizinho, que é um chato”

É a segunda final consecutiva da Libertadores para Abel Ferreira, sendo que a última até foi vitoriosa para o Palmeiras. O português não escondeu a alegria, mas teve também um momento insólito que explicou mais tarde aos jornalistas. Para quem seria aquele gesto de mandar calar? "Tenho um vizinho que é um chato," respondeu Abel

Tribuna Expresso

Miguel Schincariol/Getty

Partilhar

Será a segunda presença consecutiva do treinador português ao serviço do Palmeiras na final da Taça Libertadores. Na ocasião anterior, Abel Ferreira conquistou o troféu que já tinha sido vencido por Jorge Jesus, com o Flamengo.

O empate frente ao AtlétIco Mineiro, com um golo para cada lado, foi suficiente para qualificar o Palmeiras. Após o apito do árbitro, houve festa e tudo o que é normal nestas ocasiões. E depois o insólito. Bom, na verdade, o festejo de Abel só se tornou insólito após a explicação do técnico.

O penafidelense gritou e dirigiu-se a uma câmara de televisão para mandar calar alguém.

Mais calmo, na conferência de imprensa pós-jogo, Abel Ferreira esclareceu os jornalistas e o público: "[O gesto] não foi para nenhum jogador do Atlético Mineiro ou para o seu treinador. Tenho um vizinho no meu prédio que é um chato. Foi diretamente para o meu vizinho, porque quem manda na minha casa sou eu. Está calado! Quem trabalha dentro da academia sou eu e os meus jogadores. Defendo os meus jogadores porque são meus nas vitórias e derrotas. Ao meu vizinho, ‘shiu!’”