Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Courtois atira-se à UEFA: “Foi um jogo de dinheiro, mais um para a TV. Não querem saber de nós, só se preocupam com o dinheiro”

As declarações do guarda-redes belga foram proferidas após a derrota da sua seleção frente a Itália, no jogo do terceiro e quarto lugares da Liga das Nações. Antes da partida, o guardião já tinha afirmado que aquele jogo "não fazia sentido"

Tribuna Expresso

Simon Hofmann - UEFA

Partilhar

Thibaut Courtois, guarda-redes da Bélgica e do Real Madrid, não poupou nas críticas à UEFA e às autoridades que gerem o futebol em geral. Acabado de perder para a seleção italiana o terceiro lugar na Liga das Nações, um jogo que o próprio já havia considerado “sem sentido”, o guardião declarou: “Eles podem estar zangados porque outras equipas querem a Superliga, mas eles não querem saber dos jogadores, só se preocupam com o dinheiro”.

Visivelmente agastado após um jogo difícil, em que a Bélgica não pôde contar com duas das suas maiores estrelas — Hazard e Lukaku — devido a fadiga muscular, o guarda-redes disse ainda que o futebol “é apenas um jogo de dinheiro,” acrescentando: “Temos de ser honestos em relação a isso. Nós apenas jogamos porque, para a UEFA, é dinheiro extra”.

Courtois prosseguiu: “Vejam como ambas as equipas [iniciais] mudaram. Se as equipas estivessem na final, haveria outros jogadores em campo. Isto mostra que fazemos demasiados jogos”. Nas palavras do belga estava implícita a crítica ao projeto da UEFA e de Arsène Wenger, de organizar o Mundial de dois em dois anos.

O guarda-redes atua no Real Madrid, um dos clubes que se mantêm fiéis ao projeto de uma Superliga europeia. Courtois referiu a criação de “mais uma competição” da UEFA, a Liga Conferência, e ironizou: “Agora ouvimos falar de um Campeonato da Europa e de um Mundial todos os anos. Quando vamos poder descansar? Nunca”.

“No fim, os jogadores de topo vão lesionar-se e lesionar-se. É algo que devia ser muito melhor preparado,” disse Courtois, reforçando: “Não somos robôs. São apenas mais e mais jogos e menos descanso e ninguém se preocupa connosco”.