Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Agnes Tirop era uma atleta olímpica queniana e foi encontrada morta. O marido, principal suspeito, foi detido pelas autoridades

A terceira classificada da prova dos 10.000 metros nos Campeonatos do Mundo de Atletismo de 2017 e 2019, quarta nos 5.000 metros em Tóquio 2020, tinha 25 anos e foi encontrada já sem vida, em sua casa, no Quénia. O marido tentou fugir, mas foi entretanto detido e é o principal suspeito

Tribuna Expresso

Alexander Hassenstein

Partilhar

A polícia queniana anunciou ter prendido o marido de Agnes Tirop, depois de a atleta de 25 anos ter sido encontrada morta em casa. A Federação de Atletismo do Quénia disse que o país tinha perdido “uma joia”. Também o presidente da World Athletics, Sebastian Coe, se pronunciou sobre a perda: “O atletismo ficou sem uma das mais brilhantes jovens estrelas, em circunstâncias trágicas”.

Agnes vivia em Iten, cidade reconhecida como base para corredores de longa distância. De acordo com a "Sky Sports", que cita fontes policiais, a atleta terá sido esfaqueada no pescoço.

O marido de Agnes foi preso em Mombasa, depois de horas a negociar a sua rendição. A divisão da polícia queniana responsável pela investigação disse no Twitter que o principal suspeito do crime foi encontrado após ter colidido com um camião enquanto, alegadamente, tentava fugir do país.