Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

Vlachodimos garante ao Benfica: "Ainda não cheguei ao máximo do meu potencial"

O guarda-redes grego que nasceu em Estugarda deu uma entrevista a um jornal alemão na véspera do difícil encontro entre Benfica e Bayern Munique, para a Liga dos Campeões. Odysseas começou por ter um ano difícil com o regresso de Jesus à Luz mas reconquistou a titularidade este ano e garante que ainda não atingiu o pico da carreira

Tribuna Expresso

Carlos Rodrigues - UEFA/Getty

Partilhar

São quatro épocas no Benfica, nem todas fáceis para o guarda-redes que, depois de se ter imposto na baliza dos encarnados, perdeu a titularidade para Helton Leite, acabando por conseguir recuperá-la esta temporada.

O guardião de 27 anos, nascido em Estugarda, optou por representar a Grécia, onde estão as suas origens. Mas o longo período passado na Alemanha fez com que o jornal “Stuttgarter Zeitung” o ouvisse na véspera do embate entre Benfica e Bayern Munique, na Luz, para a fase de grupos da Liga dos Campeões.

O principal clube da cidade onde nasceu viu-o crescer como homem e como futebolista. Odysseas fez grande parte da formação no Estugarda e chegou à equipa principal. Com expectativas elevadas, o jogador do Benfica acabou por fazer poucos jogos pela equipa alemã e rumou ao Panathinaikos, de onde acabaria por sair para a Luz.

Vlachodimos garante que o seu objetivo “era crescer” e tornar-se a primeira opção como guarda-redes no clube onde passou quase toda a juventude. No entanto, diz o guardião, “a descida de divisão, a falta de oportunidades e o interesse do Panathinaikos ajudaram na saída”.

Em 2018, chegou ao Benfica e a Lisboa, cidade que, diz, o faz “muito feliz”.

“O Benfica é um grande clube. Tudo é feito para garantir que os jogadores se possam concentrar no futebol. Trabalho com as pessoas certas, nos treinos, nos ginásios, nos jogos,” assegura o Vlachodimos. Na entrevista, Vlachodimos deixa também uma garantia: “Ainda não cheguei ao máximo do meu potencial”.

Esta quarta-feira, o teste será difícil, mesmo que o adversário seja um velho conhecido do grego. O Bayern Munique é, cada vez mais, uma máquina goleadora e Odysseas terá pela frente um polaco chamado Robert Lewandowski, habituado a ganhar duelos com guarda-redes.