Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Revista de Imprensa

O estranho caso Mourinho vs "Repórter de TV normal" por causa da arbitragem: "Não, diga-me o que viu. Diga-me você"

Que José Mourinho é um treinador de personalidade vincada todos sabemos. Mas o técnico português da Roma parece conseguir sempre surpreender-nos com novos episódios de surrealismo. O último caso é um estranho diálogo com um repórter da televisão norueguesa, após o empate 2-2 com o Bodø/Glimt para a Liga Conferência

Carlos Luís Ramalhão

Partilhar

Após o jogo da Roma com o modesto FK Bodø/Glimt, da Noruega, que resultou num empate a dois golos em jogo para a Liga Conferência, José Mourinho compareceu na zona de entrevistas rápidas com cara de poucos amigos. O técnico português esteve perto de ser derrotado em casa, conseguiu o empate nos últimos minutos através de Ibañez mas quis, acima de tudo, falar sobre arbitragem com o repórter da televisão norueguesa Viaplay.

Questionado pelo jornalista sobre o jogo no Estádio Olímpico, Mourinho respondeu: “O árbitro tem de explicar. Mas eles não falam”. À pergunta sobre o que se tinha passado com o juiz da partida, o treinador português respondeu questionando o repórter: “Viu o jogo? Diga-me você”. Iniciou-se então um verdadeiro pingue-pongue com o representante da televisão norueguesa a repetir que queria “o ponto de vista” de Mourinho e este a devolver a pergunta: “Não, diga-me você”. Pelo meio, o técnico foi questionado sobre a possível existência de lances de grande penalidade não assinalados pelo árbitro. O resultado foi o mesmo: “Diga-me você,” repetiu o setubalense.

A certa altura, o jornalista lembrou a José Mourinho que era “apenas um repórter de televisão normal”, ao que o português respondeu com o já cansativo: “Não, diga-me você o que viu”. “Eu estava longe,” disse o repórter. Resposta: “E nem no ecrã viu? Não viu depois do jogo?”. Finalmente, à pergunta “Acha então que o árbitro lhe tirou pontos?”, Mourinho foi categórico: “Claro”.

Sobre o adversário, o treinador português deixou alguns elogios, nomeadamente por, em duas ocasiões, ter marcado dois golos. Visivelmente incomodado, José Mourinho referiu ainda as “quatro ou cinco oportunidades” desperdiçadas pela Roma.