Tribuna Expresso

Perfil

Ronaldo

Acusação de violação de Ronaldo foi retirada do tribunal estadual, caso segue para o tribunal federal

Agência Bloomberg noticiou que deu entrada no Tribunal do Nevada, em maio, uma desistência da queixa de Katheryn Mayorga sobre o futebolista. O caso segue agora para o tribunal federal

Tribuna Expresso e Lusa

Rafael Marchante

Partilhar

A queixa de violação de Katheryn Mayorga contra Cristiano Ronaldo foi retirada, avança a Bloomberg. A agência de notícias cita um documento que deu entrada em maio no Tribunal Estadual do Nevada, em Las Vegas, em que a norte-americana desiste do processo.

O documento é omisso sobre as razões do recuo de Mayorga, não se sabendo se houve acordo entre as partes. O capitão da seleção portuguesa de futebol - que deverá estar esta quarta-feira em campo no Estádio do Dragão, no jogo frente à Suíça, para a meia-final da Liga das Nações - negou publicamente a acusação.

O caso remonta a junho de 2009 e a acontecimentos que alegadamente ocorreram numa suite de um hotel em Las Vegas, mas foi a 27 de setembro do ano passado que a queixa contra Ronaldo foi apresentada. A norte-americana alega que inicialmente tinha aceitado um acordo para não falar sobre o assunto, a troco de cerca de 300 mil euros, mas a publicação de documentos pelo "Der Spiegel", jornal parceiro do Expresso no consórcio internacional de jornalistas de investigação EIC, voltou a colocar o assunto na ordem do dia.

A polícia de Las Vegas reabriu o caso e, de acordo com o "The New York Times", foi pedida uma amostra de ADN de Ronaldo às autoridades italianas. A Juventus até abortou jogos de pré-temporada nos Estados Unidos para evitar que o avançado pusesse o pé em solo norte-americano. Esse perigo parece agora já não existir.

Contudo, apesar de a queixa ter sido retirada, o JN garante que o caso não terminou. No passado dia 28 de janeiro, deram entrada, no US Ditrict Court do Nevada, um tribunal de âmbito federal, os documentos judiciais.

Depois disso, a 1 de março deste ano, o mesmo tribunal deu um prazo de mais 180 dias a Mayorga para notificar Cristiano Ronaldo do processo, depois de as tentativas de contacto terem falhado, por não ter sido possível saber a morada do jogador português em Turim, escreve o JN.

Até ao momento, nem Leslie Stovall, advogado de Mayorga, nem Peter Christiansen, advogado do português, comentaram a retirada da queixa.