Tribuna Expresso

Perfil

Ronaldo

“Foi uma noite incrível e inesquecível: chorei, ri, sofri, gritei, fiquei bêbado e desidratado”

Em entrevista ao portal DAZN, Cristiano Ronaldo passou em revista alguns dos seus melhores momentos, garantiu “ser muito inteligente e não ter defeitos”, classificou os melhores defesas da Serie A e falou da mãe e dos filhos. E, claro, do Euro2016

Tribuna Expresso

ullstein bild

Partilhar

Perfeito

“O futebol é o que eu amo, porque faço aquilo que gosto e ainda sou pago por isso. Não posso deixar de estar feliz. Sei quem sou, sei que no final da história dir-me-ão: ‘Bravo’. No início da carreira era mais despreocupado, encarava o futebol apenas para me divertir. Agora, a minha prioridade é ganhar títulos e manter-me a um nível elevado. Sinto-me feliz e quero jogar uns anos mais. Uma virtude e um defeito? Sou muito inteligente e não tenho defeitos. Sou sempre profissional!”

O Euro

“O título de campeão europeu com Portugal é o troféu mais importante que alguma vez ganhei. Foi uma noite incrível e inesquecível: chorei, ri, sofri, gritei, fiquei bêbado. Eu chorei tanto que fiquei desidratado. No final do jogo, durante as comemorações, bebi uma taça de champanhe lembrei-me que nunca bebo. Mas esse dia foi tão especial. Foi o troféu mais importante de todos os tempos”

Legado

“Passei a ser o único jogador da história a vencer o campeonato de Itália, Espanha e Inglaterra. Um troféu é um troféu e eu adoro conquistá-los. Quando estava em Espanha, a minha mãe pressionava-me muito. Dizia-me. ‘Amanhã tens de ganhar e fazer um golo!’ Entendo por que me pressionava, mas, agora, preocupa-se mais em saber como estou e como estão os netos dela. A minha mãe também mudou”.

Serie A

“Ganhei o prémio de melhor jogador da Serie A e, neste momento, o melhor sou eu! Agradeço aos colegas que votaram em mim. Há muitos jogadores bons na Serie A, logo se vê quem vai ser o eleito no final da época. Agora, quem é o melhor defesa da Serie A? Os mais duros são aqueles com quem treino, o Bonucci, Chiellini e De Ligt. É difícil marcar golos em Itália e, de um a dez, diria que o nível de dificuldade para fazer golos é sete.”