Tribuna Expresso

Perfil

Portugal

O alerta de Fernando Santos: "O Luxemburgo não tem nada a ver com outros adversários que já defrontámos, que dão uns pontapés para a frente"

Em antevisão ao Portugal-Luxemburgo (sexta-feira, 19h45, RTP1), no dia do seu 65º aniversário, Fernando Santos alertou para a qualidade do adversário, que é bem diferente dos resultados que tem obtido na qualificação para o Euro 2020

tribuna expresso

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

Estádio de Alvalade cheio

"Felizmente, como sempre, é um orgulho para nós ter esta continuidade de estádios cheios, ter o público a apoiar. Isso é fundamental. O 12º jogador é muito importante. Nem me atrevo a fazer um apelo porque sei que vão apoiar e vão dar ânimo à equipa."

A ausência de William, lesionado

"Disseste bem: a ausência do William é ausência. E ponto final. O que interessa são os que estão aqui e confio neles. Seguramente vão dar uma resposta à altura."

Ausência de Rafa foi conversada com Bruno Lage?

"Fugimos muito para situações que não têm nada a ver com o que estou aqui a fazer, que é falar sobre o jogo com o Luxemburgo. Mas não a deixo sempre resposta que isso até parece mal. O Bruno Lage ligou para mim. Mas quem decide isso é a a unidade de saúde e performance da FPF e é nisso que baseio as minhas decisões, e mais nada."

Como combate a ideia de que o Luxemburgo é um adversário fácil?

"Lancei o desafio da última vez, para verem o Luxemburgo jogar, porque uma coisa são os resultados e outra são os jogos efetuados. Teve um resultado muito injusto frente à Ucrânia, por exemplo, jogo que os nossos jogadores já visionaram. É uma equipa muito organizada, que defende bem, que sai em posse, não tem nada a ver com outros adversários que já defrontámos, que dão uns pontapés para a frente. Esta equipa sai em posse e tenta criar. Seguramente fruto de um selecionador que está à frente da equipa há nove anos. As seleções jovens do Luxemburgo têm vindo a ter bons resultados, com jogadores que jogam em vários paises da Europa. Se olharmos só para os resultados e para o ranking... claro que Portugal é melhor, isso é seguro, somos superiores, desde que consigamos cumprir o que temos de fazer no jogo."

Portugal tem sofrido em bolas paradas, quando Pepe não estava

"As vezes em que Pepe não esteve Portugal até venceu. O que eu disse é que não é normal sofrermos de bola parada. Mas isso são fatores do jogo que tentamos corrigir e ver o que não correu bem. Tempo não temos. Só treinámos ontem. Não temos tempo para mais. Claro que tentamos corrigir mas muito através da conversa, de correções individuais... O que esteve menos bem em termos defensivos não teve a ver com os lances de bola paraada, foi a 1ª parte contra a Lituânia. O jogo na Sérvia foi brilhante, o 4-2 foi brilhante, numa exibição muito bem conseguida. Na Lituânia não foi assim, porque apesar de sermos melhores, coletivamente nem ao nível deles estivemos. Eles correram mais, lutaram mais, fizeram mais. Depois a criatividade por si só não chega. Uma equipa que quer claramente mandar no jogo e não joga, não deixa a outra jogar."

Quem irá substituir William?

"É igual, o modelo é o mesmo. Queremos dominar o jogo, em posse criar dinâmicas para ter oportunidades de golo, através de movimentos coletivos e da criatividade inidividual, e depois recuperar rapidamente a bola para o adversário nem acreditar que pode criar problemas a Portugal. As características de Portugal exigem que tenhamos mais bola para então libertar a criatividade dos nossos jogadores."

Muitos elogios a Fernando Santos, no dia do seu aniversário

"Há algo que sempre me norteia: com todos os que trabalhei até hoje, penso que mantenho laços de amizade."

Ronaldo é o melhor português de sempre?

"Não se pode comparar os jogadores. Ontem um amigo meu pediu para ter uma assinatura do Cristiano. E depois perguntou-lhe de onde ele era. E ele respondeu que era da Madeira. E ele: 'Estás enganado, és de outra galáxia'. Ele é mesmo de outra galáxia"

O caso de Ruben Semedo pode ser exemplar sem as roupagens pesadas e bafientas do moralismo

O escritor Bruno Vieira Amaral escreve sobre o regresso de Semedo à seleção nacional