Tribuna Expresso

Perfil

Portugal

Pode tardar, mas dificilmente irá falhar: o próximo grande recorde de Ronaldo passa pelo Irão

Aos 34 anos, Cristiano conta com 93 golos pela seleção, o que já faz dele o melhor marcador de Portugal, mas é provável que não fique por aqui: "só" precisa de mais 17 para ultrapassar o iraniano Ali Daei, o melhor marcador internacional da história - e a verdade é que 17 não são assim tantos, pelo menos para quem marcou quatro no último jogo pela seleção

Mariana Cabral

Ali Daei a tentar fugir dos adversários, no Irão-Coreia do Sul, em 1996

Matthew Ashton - EMPICS

Partilhar

Onde é que você estava a 25 de junho de 1993?

Ele provavelmente não se lembrará, de tão novo que era, com sete ou oito anos, mas é mais do que provável que estivesse com uma bola no pé, ou, pelo menos, a enviá-la para os pés dos outros, amuando e chorando quando não lha devolviam e o Clube de Futebol Andorinha perdia.

Em 1993, ele ainda era apenas uma entre muitas crianças madeirenses com um sonho, que, então, provavelmente nem sonhava onde era o Irão. Muito menos sabia quem era Ali Daei.

Mas, a 25 de junho daquele ano, o avançado do Bank Tejarat iria começar a deixar a sua marca no futebol internacional. No dia em que o Irão venceu Taiwan por meia dúzia de golos, a estrela foi Ali Roosta, com quatro golos marcados. Mas o nome que iria ficar para a história seria o de Ali Daei, que marcava então o seu primeiro golo pela seleção iraniana.

Depois, iriam seguir-se outros 108, em 149 jogos, até 2006.

TOSHIFUMI KITAMURA

Em 2006, aquele rapaz madeirense que já não era assim tão igual aos outros já nos tinha surpreendido a todos, somando 15 golos pela seleção - o primeiro deles no jogo inaugural do Euro 2004, prova que terminou em lágrimas.

É certo que, aí, nada fazia prever que Cristiano Ronaldo ultrapassasse praticamente todos os recordes possíveis na seleção portuguesa e nos clubes que foi representando, mas, agora, a expetativa é precisamente a contrária: tudo faz prever que o goleador português consiga ultrapassar o goleador iraniano.

Porque, depois de marcar um póquer frente à Lituânia, no último jogo da seleção, em setembro (5-1), Ronaldo já soma 93 golos em 160 jogos por Portugal.

Agora, como diria o outro, é fazer as contas (algo que Ronaldo provalmente já terá feito, ou não fosse ele um ávido perseguidor do sucesso constante):

faltam 7 golos para Cristiano atingir os 100 golos pela seleção;
faltam 16 golos para Cristiano igual Ali;
faltam 17 golos para o livro dos recordes deixar de mencionar Ali Daei e passar a mencionar Cristiano Ronaldo.

Icon Sportswire

Se isto lhe parece improvável, bom, então não conhece bem a história de Cristiano Ronaldo. É certo que o miúdo já cresceu para os 34 anos, mas a sua longevidade não parece, para já, ameaçada e, até ao final do ano, Portugal ainda vai ter quatro jogos: dois contra o Luxemburgo (um sexta-feira e outro a 17 de novembro), um contra a Ucrânia (segunda-feira) e um contra a Lituânia (14 de novembro).

Se, ainda assim, estes quatros jogos não lhe parecem suficientes para Ronaldo aumentar o número de golos marcados, aqui vai um pouco de contexto: marcou os tais quatro golos contra a Lituânia, 131ª do ranking mundial de seleções da FIFA e última classificada do grupo B de qualificação para o Euro 2020, e três contra o Luxemburgo, 93ª do ranking e penúltima classificada do mesmo grupo - só contra a Ucrânia, 25ª e líder do grupo com mais cinco pontos do que Portugal (e mais um jogo), é que não conseguiu faturar, mas também só completou um jogo contra os ucranianos (0-0).

Mais: Ronaldo já é o melhor marcador de seleções em campeonatos da Europa, tanto nas fases de qualificação - 25 golos - como nas fases finais - nove golos (os mesmos de Michel Platini). De resto, marcou sete golos em Mundiais, 30 em qualificações para Mundiais, dois na Taça das Confederações, três na Liga das Nações e 17 em jogos particulares.

Já Ali Daei, jogador que saiu do Irão em 1997/98, para os alemães do Arminia Bielefeld - ascenderia, na época seguinte, ao Bayern de Munique, e, depois, ao Hertha de Berlim, antes de regressar ao país natal, em 2002/03 - marcou 109 golos pela seleção, entre 1993 e 2006, retirando-se já com 36 anos.

Martin Rose

A seleção só volta a reunir-se no final de março de 2020, para dois jogos de preparação que poderão significar mais duas oportunidades para Ronaldo se aproximar ainda mais de Daei. No final de maio, volta a haver particulares, mas nestes não é certo que Ronaldo marque presença, já que estão agendados para a mesma semana em que é a disputada a final da Liga dos Campeões - e se a Juventus lá chegar...

Em junho, inicia-se então a preparação para o Euro 2020, para o qual se espera que Portugal se qualifique e no qual se aposta que Cristiano marcará, tal como marcou três no Euro 2016, quatro no Mundial 2018 e quatro na Liga das Nações.

No início de 2020/21, Ronaldo já será um veterano, com 35 anos, mas ainda continuará ao mais alto nível, já que só termina contrato com a Juventus no final de 2022. Ou seja, tudo indica que ainda terá pelo menos 2020/21 e 2021/22 para chegar aos tais 109 - ou melhor, 110 - golos. É já ali.