Tribuna Expresso

Perfil

Portugal

Hoje já não há "pontas de mama", há Gonçalo Paciência e Eder convocados para a seleção

Fernando Santos utilizou esta expressão para esclarecer a questão de Portugal já não ter um '9' puro, já depois de anunciar o regresso de dois avançados à seleção nacional, que joga a 14 de novembro contra a Lituânia, no Estádio do Algarve, e três dias depois, no Luxemburgo, em jogos da qualificação para o Europeu 2020

Tribuna Expresso

Gonçalo Paciência já tinha sido convocado para a seleção A, quando estava no Vitória de Setúbal, também por Fernando Santos

Carlos Rodrigues

Partilhar

Se bem se recordam, no último mês a seleção nacional foi a Kiev, onde perdeu com uma Ucrânia que jogou mais e melhor e ficou impossibilitado de chegar ao primeiro lugar do grupo de qualificação para o Europeu de 2020. Quando escolheu os convocados para esse jogo (e contra o Luxemburgo), Fernando Santos disse que, coisa da fortuna, Portugal não dispunha de um '9' puro hoje em dia. E as pessoas lembraram-se dos avançados que deixou de fora.

Como Gonçalo Paciência, que vai com nove golos esta época.

Mas ele e o eternamente saudoso Eder foram, agora, convocados para os jogos contra a Lituânia (14 de novembro) e o Luxemburgo (dia 17), além de André Silva, dando à seleção três avançados que, em outubro, pelas palavras do selecionador nacional, parecia não haver - ou, pelos vistos, tudo não passou de um mal-entendido. De fora ficou João Félix, por questões clínicas.

Fernando Santos explicou-o, enumerando as razões para a confusão que diz ter existido: "Estamos a falar de um futebol que já não existe. O que falei tem a ver com o ponta de lança, um jogador fixo, de área, que joga num espaço muito curto de campo. No meu tempo chamavam-se pontas de mama. Hoje em dia vejo poucas equipas a fazerem isso no futebol atual. Hoje as equipas apresentam jogadores com características diferentes. Nos últimos anos, em Portugal, só me lembro do Rui Águas e do Fernando Gomes. O Pauleta, por exemplo, jogava a 9, mas não tinha essas características, procurava muito a bola no espaço."

Recorde-se que os dois primeiros classificados do grupo B qualificam-se diretamente para o Europeu.

Os convocados por Fernando Santos para os jogos com a Lituânia e o Luxemburgo

Guarda-redes - Beto (Goztepe), José Sá (Olympiakos) e Rui Patrício (Wolverhampton).

Defesas - Ricardo Pereira (Leicester), Nélson Semedo (Barcelona), José Fonte (Lille), Pepe (FC Porto), Rúben Dias (Benfica), Rúben Semedo (Olympiakos), Raphael Guerreiro (Borussia Dortmund) e Mário Rui (Nápoles)

Médios - Danilo Pereira (FC Porto), Rúben Neves (Wolverhampton), Bruno Fernandes (Sporting), Bernardo Silva (Manchester City), João Mário (Lokomotiv), João Moutinho (Wolverhampton), Pizzi (Benfica)

Avançados - Bruma (PSV), Daniele Podence (Olympiakos), Diogo Jota (Wolverhampton), André Silva (Eintracht Frankfurt), Cristiano Ronaldo (Juventus), Gonçalo Paciência (Eintracht Frankfurt) e Éder (Lokomotiv).

Gonçalo Paciência: “Passava férias com o Mozer, que dava porrada no meu pai nos clássicos. Os jogadores dão-se bem fora de campo”

No dia em que Jonas se despediu do futebol, Gonçalo Paciência escreveu nas redes sociais para lhe agradecer a "belíssima carreira". O ex-avançado do FC Porto foi insultado por muitos adeptos e tinha consciência de que a publicação também teria esse impacto. Mas o português quis dar o exemplo, mesmo sabendo que não vai ser ele a "mudar o mundo". À <strong>Tribuna Expresso</strong>, diz que o futebol português tem que "ser mais livre", que os clubes deviam "deixar de ser tão picuinhas" e deixarem os jogadores "falarem mais" <em>(No dia em que Fernando Santos convoca Gonçalo Paciência para a seleção, republicamos esta entrevista de 12 de julho de 2019)</em>
  • Gonçalo Paciência: “Passava férias com o Mozer, que dava porrada no meu pai nos clássicos. Os jogadores dão-se bem fora de campo”

    Entrevistas Tribuna

    No dia em que Jonas se despediu do futebol, Gonçalo Paciência escreveu nas redes sociais para lhe agradecer a "belíssima carreira". O ex-avançado do FC Porto foi insultado por muitos adeptos e tinha consciência de que a publicação também teria esse impacto. Mas o português quis dar o exemplo, mesmo sabendo que não vai ser ele a "mudar o mundo". À Tribuna Expresso, diz que o futebol português tem que "ser mais livre", que os clubes deviam "deixar de ser tão picuinhas" e deixarem os jogadores "falarem mais" (No dia em que Fernando Santos convoca Gonçalo Paciência para a seleção, republicamos esta entrevista de 12 de julho de 2019)