Tribuna Expresso

Perfil

Portugal

Fernando Santos e a exibição: “Os jogadores começaram a jogar para trás”

À RTP e à SportTV, o selecionador nacional reconheceu as dificuldades de Portugal diante do Luxemburgo, mas garante que a Seleção irá estar no Euro2020 como candidata ao título

Tribuna Expresso

TF-Images

Partilhar

O relvado

“Não foi uma exibição com uma nota elevada do ponto de vista artístico. Em relação ao jogo com a Lituânia, o adversário não era igual e o campo também não era igual. Antes do jogo não podia enfatizar a questão do campo, não podia passar isso para os jogadores, mas logicamente sabíamos o que nos esperava, viemos cá ver. O relvado causou problemas na circulação da bola e alguns jogadores tiveram dificuldades em colocar o passe mais longo. Os primeiros 20 minutos foram marcados um pouco por isso. A equipa do Luxemburgo é diferente destas equipas médias, entra a pressionar e a criar dificuldades no jogo. A partir dos 25 minutos o jogo ficou mais equilibrado, fizemos um golo num lance que tínhamos pensado, em profundidade nas costas dos defesas”

O caráter

“O que sinto? Sinto uma grande felicidade pelos meus jogadores e por Portugal, porque foi um apuramento mais difícil do que esperávamos. Registámos dois empates em casa, que acabaram por condicionar um pouco, mas também no meio disso tivemos uma competição europeia que ganhámos. Isso mostra o caráter e a ambição dos jogadores. Com grande capacidade de luta este jogo mostrou um pouco o que foi o apuramento. Foi um jogo difícil, suado, num campo complicado. Os jogadores gostam de jogar a um ou dois toques, mas tiveram dificuldades em levantar a bola e começaram a jogar para trás. Isso permitiu que que o Luxemburgo criasse uma outra situação nos primeiros 25 minutos”

E o orgulho

“Na segunda parte tivemos de jogar como o jogo pedia, umas vezes menos bem, outras vezes melhor, mas sempre com a cabeça fria. Nunca entrámos no pontapé para frente, procuramos ter a bola, procurámos o segundo golo e ele depois apareceu com toda a justiça. Acho que Portugal tem de estar orgulhoso destes jogadores. São 11 vezes consecutivas em fases finais, há que acreditar nestes jogadores. E como sempre lá estaremos como candidatos.”