Tribuna Expresso

Perfil

Portugal

Seis anos depois, Fernando Santos volta ao lugar onde tudo começou para ele - e mais tarde para a Seleção

Treinador vai tornar-se domingo o selecionador com mais jogos por Portugal, ultrapassando Luiz Felipe Scolari, no mesmo local, o Stade de France, e dia, 11 de outubro, em que há seis anos fez a sua estreia

Lusa

Christian Liewig - Corbis

Partilhar

Fernando Santos vai tornar-se domingo o selecionador com mais jogos por Portugal, ultrapassando Luiz Felipe Scolari, no mesmo local, o Stade de France, e dia, 11 de outubro, em que há seis anos fez a sua estreia.

Nos arredores de Paris, perante a seleção francesa, e um dia depois de completar 66 anos, o técnico chega aos 75 jogos como selecionador nacional e passa o brasileiro, que orientou a equipa lusa entre 12 de fevereiro de 2003 e 19 de junho de 2008.

O destino colocou novamente Fernando Santos no Stade de France, estádio em que conquistou o Euro2016, o maior feito do futebol português, mas em que também fez a sua estreia absoluta à frente da seleção nacional, precisamente em 11 de outubro, com um desaire por 2-1 com a França.

“Na minha cabeça, já sei a estratégia e o plano de jogo que quero para a equipa, mas ainda tenho uma ou outra dúvida na equipa titular. É quase um crime dizer que estes jogadores perderam as suas capacidades e que já não têm valor”, disse Fernando Santos na conferência de antevisão dessa partida, a sua primeira como selecionador português, no dia em que celebrou 60 anos.

O antigo técnico de FC Porto, Sporting e Benfica sucedeu a Paulo Bento e referia-se ao mau arranque da campanha de qualificação para o Euro2016, em que Portugal foi surpreendido em Aveiro pela Albânia (1-0), depois de já ter caído na fase de grupos do Mundial2014, no Brasil.

Logo na primeira convocatória, Santos ‘cortou’ com o seu antecessor e chamou nomes como Ricardo Carvalho, Tiago, Danny, Eliseu e Ricardo Quaresma, que estavam já há alguns anos afastados dos trabalhos da seleção nacional.

No seu primeiro ‘onze’, o ‘engenheiro’, como é conhecido por ter um curso nessa área, colocou Rui Patrício na baliza, Cédric como lateral direito, Eliseu na esquerda, e Pepe e Bruno Alves no centro da defesa. O meio campo pertenceu a André Gomes, Tiago e João Moutinho, enquanto Danny, Nani e Cristiano Ronaldo ficaram encarregues do ataque.

Nesse jogo, Ricardo Carvalho, William, Éder, Ricardo Quaresma, Vieirinha e João Mário foram ainda lançados por Fernando Santos.

Xavier Laine

A estreia começou a correr mal logo aos três minutos, com Benzema a dar vantagem aos franceses, e a diferença ficou maior aos 69, com um golo de Pogba. De grande penalidade, Ricardo Quaresma reduziu, aos 77.

“Os dois golos deles resultaram de erros nossos, o primeiro de uma infantilidade. Há que corrigir este tipo de falhas. Vamos a Copenhaga para vencer. Agora, há que saber defender. Com esta atitude vamos dar uma alegria aos portugueses”, disse Fernando Santos após o jogo.

E assim aconteceu, com Portugal a vencer na Dinamarca já nos descontos, por 1-0, com um golo de Ronaldo, num encontro que foi determinante na qualificação para a fase final do Euro2016, que a seleção nacional acabou por conquistar.