Tribuna Expresso

Perfil

Portugal

Sérgio Oliveira no seu melhor momento? "Vocês ligam muito aos números. Um médio não é só golos, às vezes há um trabalho invisível"

Médio do FC Porto é o único jogador da Liga NOS convocado para os próximos três jogos da Seleção Nacional e desvaloriza o momento de forma que vive: "Estou aqui para dar o meu melhor, a titular, bancada, a treinar"

Tribuna Expresso

Quality Sport Images/Getty

Partilhar

Vai ser titular?

“Antes de mais, como já disse, estou aqui para dar o meu melhor, a titular, bancada, a treinar. Somos Portugal. Não há jogos menos importantes, este é o mais importante porque é o próximo”.

Benefícios do jogo com Andorra

“Se calhar não há muitos, devido ao numero de jogos que temos tido. Mas é um jogo para ganhar e dentro do jogo é para tirar ilações positivas. Depois disso, vamos pensar no jogo com a França”.

Como gerir o pouco tempo entre jogos

“Temos de ter mais cuidados, a nível da alimentação, descanso. Temos pouco tempo de trabalho em treinos, é mais com vídeos, palestra, não tanto em campo. Mas é a realidade de um mundo que vive em pandemia. Temos de deixar as desculpas de lado”.

Está no melhor momento?

“Vocês ligam muito aos números, aos golos e às assistências. Um médio não é só isso, às vezes há um trabalho invisível. É uma evolução natural de um jogador, dia após dia tento trabalhar as lacunas que tinha, chegar mais à área, ser mais agressivo. Tento ouvir ao máximo o Sérgio Conceição e o Fernando Santos, aproveitar cada jogo e cada treino para evoluir”.

Jogar com avançados em grande forma

“É ótimo! Saber que se pode contar com os melhores jogadores da atualidade é ótimo. A qualquer momento podem resolver um jogo. É sempre bom jogar com os melhores”.

Fernando Santos e Andorra: “Em termos físicos é um jogo que não traz benefícios, penso que seria preferível descansar"

Fernando Santos sublinha que o jogo com Andorra (quarta-feira, 19h45, RTP1) é, mais que tudo, uma imposição da UEFA e que terá de haver gestão para o jogo que antecede o encontro decisivo com a França, abrindo a porta a que os jogadores com menos minutos nos seus clubes possam jogar