Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Portugal

Fernando Santos: "Um jogo deste nível ter uma bola que entra meio metro na baliza e o golo não é validado… não é possível"

No final do jogo em que Portugal e Sérvia empataram 2-2, Fernando Santos reconheceu que a seleção nacional baixou o nível na 2.ª parte, mas queixou-se do golo não validado a Cristiano Ronaldo nos descontos

Tribuna Expresso

Andrej Cukic/Getty

Partilhar

Diferenças da 1.ª para a 2.ª parte

“Não tenho explicação. Até porque estávamos preparados para aquilo que a Sérvia podia fazer, tínhamos estudado a Sérvia, sabíamos que poderiam jogar da forma como jogaram na 1.ª parte mas que poderiam alterar. E foi isso que fizeram na 2.ª parte. Eu tinha alertado os jogadores, disse-lhes que eles iam ter mais gente no meio-campo e que era preciso controlar o jogo, mas sofremos um golo logo nos primeiros segundos e a equipa da Sérvia crescer. Tivemos momentos em que não conseguimos estar ao nível da 1.ª parte e portanto o jogo ficou mais dividido. A seguir ao segundo golo deles controlámos, eles deixaram de ter oportunidades. E depois fizemos um golo que não valeu. A bola estava mais de meio metro dentro da baliza. Claro que isso não elimina aquilo que não fizemos bem e que poderíamos ter feito melhor, mas um jogo deste nível ter uma bola que entra meio-metro na baliza e o golo não é validado… não é possível no futebol”

Entrada de Jota para o onze

“Foi claro o que quis fazer e resultou em pleno. O Jota fez dois golos, a profundidade dele. Controlo do meio-campo, saída em posse e depois aproveitar os movimentos de liberdade do Cristiano e o Jota é muito rápido a aparecer. Correu na perfeição. E o que não contávamos era na 2.ª parte sofrer um golo. Tentaram organizar-se para não sofrer mais estragos e acabaram por fazer golo, depois o segundo… o futebol é isto”

Luxemburgo

“É um jogo importante, o Luxemburgo acabou de ganhar na Irlanda. Já disse que não há jogos fáceis. Uma vitória aqui dava-nos uma vantagem mas temos de ir ganhar ao Luxemburgo. Dependemos só de nós e é o que temos de fazer”