Tribuna Expresso

Perfil

Portugal

Fernando Santos: "Se o gesto de Cristiano foi bonito? Obviamente, ninguém vai dizer que sim. Ele foi o primeiro a reconhecer"

Na conferência de imprensa de antevisão ao jogo de terça-feira, contra o Luxemburgo (19h45, RTP1) - que avisou ter "zero a ver" com o Azerbaijão -, o selecionador nacional foi questionado sobre o "momento de frustração" de Cristiano Ronaldo nos últimos instantes da partida anterior, frente à Sérvia

Tribuna Expresso

PEDJA MILOSAVLJEVIC/Getty

Partilhar

Esta é a melhor seleção portuguesa de sempre?

"Portugal é uma grande seleção, com qualidade e grande capacidade, tem-no demonstrado nos últimos anos. Portugal é, reconhecidamente, uma grande seleção, daí a dizer que é a melhor seleção portuguesa de sempre acho um bocadinho exagerado. Não acho que seja possível comparar essas questão, depende de resultados, do que fizemos e do que não fizemos. Por aí, não me interessa."

O golo que não foi contra a Sérvia

"Foi um momento de grande frustração, isso é evidente. Nenhum de nós terá visto a parte final do jogo, ou pelo menos aquele minuto a seguir. Não assisti a nada, estava só a discutir com o quarto árbitro e já não vi mais nada. Só ontem [domingo] é que percebi que a bola ainda sobrou para o Bernardo [Silva] e ainda teve uma oportunidade de ouro para fazer golo a seguir.

É um ambiente de frustração. Uma equipa que chega à Sérvia, um adversário forte, onde impõe a sua lei, está a ganhar 2-0 ao intervalo e depois, um pouco anormalmente, sofre um golo no arranque da segunda parte, que marcou o jogo, pois foi um momento de desfoque e de repente há um golo e ninguém percebeu 'porquê'.

Foi um momento marcante, fez com que a equipa portuguesa tivesse abanado momentaneamente e fez crescer a Sérvia. Depois, houve o golo do empate, Portugal voltou a crescer e a estar no jogo. E quando consegues fazer um golo aos 94' que é limpinho, clarinho, e não é válido... vens para um jogo com a firme convicção que queres e podes ganhar os três pontos e eles te são - não vou dizer o adjetivo -, mas te são, obviamente que há uma certa frustração.

Estes jogadores sabem o que têm de fazer, temos de esquecer isto porque não serve de nada. O árbitro, num gesto digno, mas que não vai resolver o problema, veio dizer publicamente o que me tinha dito em particular, que tinha vergonha e que tinha sido um erro tremendo. Mas pronto, isso acabou, dependemos só de nós para estarmos no Campeonato do Mundo e estamos aqui para fazer isso."

Quem vai jogar?

"Vocês têm essas estatísticas, há muitos jogadores com muitos jogos nas pernas, chegam aqui para jogarem 72 horas depois e estão sujeitos a um esforço intensivo. A gente não treina, está aqui só para recuperar, há sete dias que estamos aqui para jogar e recuperar. Hoje [segunda-feira] vão estar todos os jogadores, mas amanhã há jogo, portanto o treino não vai ser mais do que 45 minutos, é só para manter, mas dá para avaliar como é que os jogadores estão. Também vamos falando com eles e com o departamento clínico."

Ronaldo vai manter a braçadeira de capitão?

[Fernando Santos ri-se.]

Vai manter, sempre, enquanto não ofender. O Cristiano é um exemplo nacional, vocês já o escreveram milhares de vezes. Quando vêm jogadores novos à seleção, a primeira pergunta que lhes fazem é 'então, como é o Cristiano?', e eles respondem sempre da mesma maneira - 'um exemplo de trabalho, no treino, na forma como recebe, na sua vida social, é um exemplo para todos.

Se o Cristiano tivesse ofendido o selecionador nacional, os seus colegas ou a federação, com um gesto irrefletido, aí sim, teríamos de pensar e ver. Não aconteceu nada disto. O que aconteceu foi um momento de grande frustração, podia ter acontecido a mim, com as coisas que disse ao quarto árbitro também podia ter ido para a rua. E que disse depois ao árbitro também.

Foi um momento de grande frustração de um jogador que quer ganhar sempre - nisto é top dos tops -, dá tudo pela seleção e, de repente, vê uma bola dentro da baliza e depois não é golo... Se me perguntarem se foi muito interessante, não foi, mas quando eu estava na conferência de imprensa ele já tinha feito um post sobre isso. Agora, naquele momento aconteceu a ele, podia ter acontecido a mim.

Se o gesto foi bonito, obviamente que ninguém vai dizer que sim. Agora, pôr em causa se o Cristiano vai continuar a ser capitão... Também ouvi que ele teria ofendido os colegas, o selecionador ou a federação, isso não é verdade.

Em toda a minha carreira o único jogador que deixei de contar foi porque atirou a camisola para o chão quando o substituí. Isso é uma ofensa ao treinador, ao clubes e aos adeptos. Não foi isso que o Cristiano fez. O Cristiano teve uma atitude que qualquer um, em momentos da nossa vida, se calhar vamos tomar. E ele foi o primeiro a reconhecer que se calhar não o deveria ter feito. Isto foi mais do que suficiente. Capitão não vai deixar de ser de certeza."

Bruno Fernandes não pode jogar. E Moutinho?

"O Bruno não está, mas estão outros com igual qualidade. Ficamos sempre muito focalizados no indivíduo, mas o importante é que os indivíduos, dentro da equipa, possam resolver problemas. Temos um leque de jogadores que podem resolver isso, sem nos esquecermos que vamos jogar contra o Luxemburgo, que é uma excelente equipas.

O João [Moutinho] apresentava um problema, ontem treinou, fez o trabalho normal, hoje irá outra vez treinar, mas não integrado no grupo. As indicações que tenho, neste momento, do departamento clínico, é que há uma fortíssima probabilidade de o João poder estar disponível para o jogo de terça-feira."

O relvado

"Na última vez estava neve e não podíamos treinar, na primeira vez chovia, chovia e chovia. Claro que quando tens um campo em que a bola tem dificuldade em rolar, para qualquer equipa isso é menos bom."

A seleção do Luxemburgo

"Esta equipa tem zero a ver com o Azerbaijão, zero. O Azerbaijão jogavam em 35 metros, não saía dali, tentava dar uns chutões na frente. Esta equipa joga olhos nos olhos e não tenho a mínima dúvida que vai fazer isso contra Portugal. A nós é que nos compete fazer que eles joguem como o Azerbaijão, que joguem lá atrás.

Esperava mais do Luxemburgo no seu grupo da Liga das Nações, mas a resposta foi dada há dois dias, no jogo da Irlanda. É, na realidade, uma equipa com muita qualidade, muita organização de jogo e de grande capacidade. Nem tive muita preocupação em mostrar aos jogadores os detalhes do jogo, porque também já tinham essa noção. É das equipas que mais tem evoluído nos últimos anos."