Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Portugal

A garantia de Fernando Santos para o particular contra o Catar: "Matheus Nunes e Rafael Leão irão a jogo"

Na conferência de imprensa de antevisão do encontro particular contra o Catar (20h15m, RTP1), o técnico anunciou que os jogadores do Sporting e Milan deverão fazer as suas estreias ao serviço da seleção nacional. Também Ronaldo tem "forte probabilidade" de jogar, ou "como titular ou só na segunda parte" do desafio

Tribuna Expresso

NurPhoto/Getty

Partilhar

Podemos esperar estreias de Diogo Costa, Matheus Nunes e Rafael Leão?
"Este é um jogo particular, não um amigável. Muitos dos jogadores estão já carregados ,devido à disputa de muitos encontros. Portanto, irá ser feita alguma gestão e, dentro dessa gestão, Matheus e Rafael, seguramente, irão a jogo. Pode ser de princípio ou depois, mas seguramente irão a jogo. Essa é a nossa perspectiva, mas só depois, quando a bola começar a correr, é que percebemos se isso vai acontecer. Quanto ao Diogo Costa ainda vou pensar sobre o assunto, porque é um lugar mais específico, é uma situação diferente.O Diogo Costa ou entra de princípio, ou eu nunca farei substituições de guarda-redes a meio de uma partida, porque acho que isso não é bom para nenhum dos guarda-redes. Ou jogará de princípio, ou continuará aqui, a evoluir e a crescer. É um jovem de muito talento, com muita qualidade, em quem nós acreditamos"

Ronaldo tem 180 jogos pela seleção, estando a um de se tornar no europeu com mais partidas pela seleção. Pensa colocar Ronaldo?
"Se eu o colocar, isso não terá nada a ver com recordes, porque ele irá sempre bater o recorde. Só se tivesse uma infelicidade de tal maneira que nunca mais jogasse é que não o colocaria. Nem ele está preocupado com esse recorde, seguramente. Ainda estou a ponderar, mas o Cristiano irá a jogo, porque eu acho que ele precisa de jogar, é muito importante para ele ter tempo de jogo. O último encontro em que ele fez o jogo todo foi na Liga dos Campeões, no último fim-de-semana só fez 20 minutos. Se só jogasse contra o Luxemburgo ,estaria 15 dias sem essa intensidade do jogo, que é muito diferente do treino. Neste momento, direi que há uma forte probabilidade de ele ir a jogo, ou como titular ou só na segunda parte. Mas há uma forte probabilidade de ele ir a jogo, para que os ritmos competitivos dele estejam no seu limite máximo para o duelo com o Luxemburgo"

Sobre a chamada de Matheus Nunes
"Se ele não tivesse qualidades, nunca viria à seleção. O primeiro requisito para integrar o grupo é ter qualidade, mas todos vimos as qualidades dele no seu clube. Tem 22 anos, está em Portugal desde os 12, fez todo o crescimento no futebol português e ainda tem um longo caminho para evoluir, quer no clube, quer na seleção. É muito importante integrá-los, para eles perceberem o que é o contexto seleção e quais as dificuldades. Ele tem correspondido ao que esperamos, mas não só ele. O Rafael Leão chegou agora e também se integrou bem, como todos se têm integrado . A equipa acolhe bem todos os jogadores. O Matheus e o Rafael são, claramente, jogadores de futuro na seleção nacional e, quanto mais depressa forem apreendendo o que nós queremos, melhor para eles e para nós"

O momento de Rafael Leão
"O Rafael tem crescido muito. Eu tenho visto os jogos do Milan, há um ano que andamos a vê-lo com muita atenção, porque reconhecemos que ele tem um potencial diferenciado de outros. Pode jogar em duas posições, é um jogador que seguimos há muito tempo. Na última convocatória, poderia ter entrado, e agora nesta beneficiou de lesões e, também, da circunstância do Jota, que não está ainda a 100%. O Rafael tem muitas condições, melhorou muitos aspetos do jogo que, na formação, não mostrava tanto. Agora no Milan tem-no mostrado, é um jogador de equipa, o que é muito importante. Teve a oportunidade de chegar à seleção e agora é ver a evolução nos treinos e no jogo"

Acha que a vitória por 11-0 de Portugal contra o Liechtenstein, em sub-21, é matéria de reflexão sobre o que deve ser uma fase de qualificação?
"Ao nível da formação, onde eles ainda estão em crescimento e a cimentar as suas bases, jogos destes podem ser enganadores. Em primeiro lugar, tenho de dar os parabéns, porque 11-0 é sempre 11-0, tem de se jogar bem para alcançar aquele resultado. Para mim, enquanto selecionador, e penso que, também, para o Rui Jorge, é um jogo do qual não podes tirar grandes ilações. Eu acho que seria benéfico, se calhar, ter grupos diferenciados. Para a formação, acho que isso seria importante, e principalmente nos sub-21, que já é um escalão muito intermédio, onde eles já são seniores e competem nas grandes equipas. A maioria dos nossos jogadores compete em boas equipas. Mas é assim que o calendário está e é isso que temos de fazer"

O que pode retirar deste jogo?
"O que quero é perceber se, no pouco tempo em que estamos juntos, aquilo que é transmitido foi assimilado pelos jogadores e aplicado na prática. O que para mim é importante é ver o coletivo, ver como é que a equipa assimilou os processos que eu quero nos vários momentos do jogo."