Tribuna Expresso

Perfil

Seleções

Quando quatro centenárias se juntam, dá nisto: golos com a canela e um pedido de trabalho ao “doutor Fernando Gomes” no canal 11

São as veteranas da seleção nacional feminina, no que à experiência internacional diz respeito: Carole Costa (113 internacionalizações), Dolores Silva (107), Ana Borges (115) e Cláudia Neto (121) foram homenageadas pela UEFA por atingirem a centena de presenças e a FPF aproveitou para juntar as quatro colegas num vídeo para a posteridade

Tribuna Expresso

Partilhar

Recorde-se que, terça-feira, Portugal derrotou a Hungria, por 4-1, em jogo amigável disputado em Alverca. Também sábado, perante a mesma equipa, a seleção liderada por Francisco Neto venceu, por 2-1.

Portugal encerra assim oficialmente a época 2018/19, com as jogadoras a regressarem à competição internacional apenas em setembro, para a qualificação para o Europeu feminino de 2021, na qual a seleção está no grupo E, com Escócia, Finlândia, Albânia e Chipre.

Qualificam-se para o Euro os vencedores dos grupos e os três segundos classificados com melhores resultados face ao primeiro, terceiro, quarto e quinto no seu grupo, juntando-se à Inglaterra, organizadora da prova, na fase final. Os restantes segundos classificados dos grupos irão disputar um play-off para assegurar as últimas três vagas am aberto na fase final.

  • “Antes, contra equipas top, a bola queimava. Agora criamos problemas: a treinadora dos EUA deu-nos os parabéns, não entendia o nosso 4-4-2”

    No banco com os misters

    Ele fez história com elas. Aos 35 anos, Francisco Neto liderou a seleção feminina de futebol ao primeiro Europeu em que participou, em 2017, numa experiência que pretende voltar a repetir em breve: "Em casa, sentado no sofá, sou sempre o melhor treinador do mundo. Quando a gente está num Europeu e tem de tomar decisões em função do que está a ver, as coisas alteram-se..." Na FPF desde 2014, tem visto o futebol feminino crescer vertiginosamente e garante que o melhor ainda está para vir. Até a campeã mundial, EUA, teve problemas contra Portugal, particularmente pela estrutura de 4-4-2 losango utilizada pela seleção: "A treinadora do EUA deu-nos os parabéns porque não entendia o nosso losango. Teve muita dificuldade em perceber como é que nós conseguíamos tão facilmente criar-lhes problemas". Hoje, em jogo de preparação contra a Hungria (16h, Alverca), a estrutura será outra: 3-5-2. O treinador explica porquê, à Tribuna Expresso, numa conversa sobre futebol - que, jogado, é o mesmo, no feminino e no masculino