Tribuna Expresso

Perfil

PUBLICIDADE
Seleções

Para o novo e renovado play-off que aí vem, Portugal já sabe quem são os possíveis adversários

Sendo cabeça de série e ficando no Pote 1 do sorteio que se realiza a 26 de novembro, Portugal terá direito a jogar em casa a meia-final do novo formato do play-off de acesso ao Mundial. Com os resultados dos derradeiros jogos da fase de grupos de qualificação, eis os seis possíveis adversários no primeiro jogo: Turquia, Polónia, República Checa, Macedónia do Norte, Ucrânia ou Áustria

Diogo Pombo

PATRICIA DE MELO MOREIRA/Getty

Partilhar

É outro nome que as circunstâncias inventaram, há muito, para os portugueses não se fartarem da palavra ‘calculadora’ quando em causa está a qualificação da seleção nacional para algo, seja o que for. Parece cíclico, uma condição inevitável a que não é possível esquivar por muito tempo e eis o play-off, esse velho conhecido, uma vez mais a erguer-se entre Portugal e um grande torneio de seleções. O último foi há oito anos.

Ao 1-0 em Lisboa seguir-se-ia um 2-3 em Estocolmo, onde a seleção ultrapassou em definitivo e com glória atrasada a Suécia, puxado por uma das noites mais inspiradas da carreira salvadora de Cristiano Ronaldo. Ao golo que marcara no Estádio da Luz, na primeira mão, o capitão português, com a pujança de quem ainda não era trintão, acelerou três vezes pelas costas de suecos para marcar um hat-trick que muitas línguas disseram até ter virado as contas da Bola de Ouro desse ano.

Portugal foi ao Brasil puxado por um dos atos de brilhantismo do melhor jogador que será rebobinado, a preceito, quando alguém perguntar pelos cumes da sua carreira. Tido e superado o terceiro play-off da história, a seleção foi titubeante no Mundial, ficaria pela fase de grupos e agora corre o risco de poder falhar a quinta hipótese, e talvez a derradeira, de competir em Campeonatos do Mundo tendo Cristiano Ronaldo na frente de quase todas as tentativas de marcar um golo. No caminho está o quarto play-off no qual, mesmo sendo cabeça de série, a teoria indica que as dificuldades serão mais ardilosas.

Desta vez, não será uma questão de vencer um adversário numa eliminatória a duas partidas — Portugal terá na mesma um par de jogos, mas contra adversários distintos. A UEFA reformulou o formato e deixou as últimas três vagas para serem disputadas entre 12 seleções. Uma dezena corresponderá aos segundos classificados e as duas restantes são ocupadas pelos líderes com mais pontos dos grupos da última Liga das Nações. Perdendo com a Sérvia, ficando atrás dos balcânicos no Grupo A e acabando com 17 pontos, a seleção nacional ficou logo com um estatuto.

A de cabeça de série, porque o novo formato implica um sorteio e os seis melhores vice-líderes da fase de grupos de qualificação ficam no Pote 1, com direito a jogarem em casa o primeiro dos encontros do play-off. Ao partilhar esta condição com cinco outras seleções, Portugal não enfrentará a Escócia, a Itália, a Suécia, a Rússia e o País de Gales na meia-final da derradeira fase de acesso do Mundial.

Os possíveis adversários serão, sim, a Macedónia do Norte, a Áustria, a Turquia, a República Checa, a Polónia e a Ucrânia.

Caso a seleção salte o primeiro obstáculo neste sprint final, é possível que também encare a barreira seguinte no conforto de casa. As três equipas anfitriãs das finais do play-off serão determinadas por sorteio e tudo ficará definido a 26 de novembro — ou seja, é possível que haja um encontro com Itália para determinar quem segue para o Mundial.

Os jogos realizar-se-ão a 25 e 29 de março do próximo ano.

As 12 seleções qualificadas para o play-off e os potes para o sorteio:

Pote 1: Portugal, Escócia, Itália, Suécia, Rússia e País de Gales.
Pote 2: Macedónia do Norte, Áustria, Turquia, República Checa, Polónia e Ucrânia.