Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Pela primeira vez, Bruno falou mais ou menos em demissão (mas impôs as suas condições) - o resumo da conferência

Presidente do Sporting reagiu em conferência de imprensa às rescisões apresentadas por vários jogadores do clube

Expresso

MIGUEL A. LOPES

Partilhar

Numa conferência de imprensa que durou cerca de quarenta minutos, Bruno de Carvalho admitiu as quatro rescisões do dia (Bas Dost, William, Gelson e Bruno Fernandes) e disse que apenas se demitiria em dois cenários:

1) Se os sócios votarem a sua saída numa AGE de destituição, mas para tal é preciso que apresentem "os votos necessários";

2) Que os jogadores assumam que voltam atrás na decisão de rescindirem com o clube se BdC e a direção caírem - mas com um pequeno twist. Nessa carta, os jogadores também têm de garantir que regressam para jogar no Sporting mesmo que a atual direção concorra a novas eleições e ganhe. Por outras palavras, Bruno de Carvalho desafia os futebolistas, publicamente, a assumirem a posição contra ele.

Por outro lado, Bruno de Carvalho defendeu que o teor das rescisões não têm valor jurídico algum e que todos os jogadores perderiam os seus casos em tribunal. "Se os sportinguistas forem inteligentes, verão que vamos conseguir resolver todos os problemas, como já aconteceu antes."

Para o presidente do Sporting, isto não passa de uma jogada "genial" de xadrez da oposição para demover a atual liderança.

Isto foi o que aconteceu:

22h09 Quinta pergunta sobre o valor das rescisões. "O que é justa causa para uma rescisão? Não faço a mínima ideia, agora que isto não é, não é."

22h08 Quarta pergunta ainda relacionada com as rescisões. "Mais cedo ou mais tarde, os jogadores voltam atrás na palavra. Agora, façam a carta."

22h05 Terceira pergunta está relacionada com o arranque da época. "A época não começa daqui a dez dias, a pré-época, sim. Há jogadores, entre os que rescindiram, que já estavam nos nossos planos para serem vendidos. Quando chegámos, havia o perigo de haver rescisão coletiva e vamos continuar a resolver estes problemas".

22h00 Segunda pergunta: "Como é que Bruno de Carvalho de 2011 e de 2013 olharia para o trabalho desta direção?". Segunda resposta de BdC: "Você está a falar de situações em que o Sporting apresentava prejuízos constantes, que vendia património ao disparate. Está a ser desonesto, a comparar com processos de rescisão que naõ vão levar a lado algum. O Sporting vai ser mais uma vez um exemplo para o futebol mundial, se os sportinguistas forem inteligentes".

21h54 Agora, perguntas e repostas e a primeira é da SportingTV, que questiona o risco financeiro. Bruno de Carvalho diz o seguinte: "O xeque-mate é esse: colocar a dúvida nos sportinguistas acerca da sobrevivência do clube. Claramente, isto é inédito no futebol português. Isto não está a ser benéfico para as contas do Sporting e é por isso que temos de chegar ao ponto de dar duas alternativas: uma aos associados, outra aos ativos que passaram a querer gerir o clube. Uma, através de uma AG destitutiva, a segunda, se vierem as cartas dos jogadores. Não houve ofertas por Podence, Gelson, William ou Bruno Fernandes; e, que eu saiba, houve apenas umas trocas de e-mailsr relacionados com Rui Patrício"

21h51 "Se as cartas dos jogadores chegarem, demitimo-nos, mas o Sporting vai retroceder. Já começamos a perder o prazer de estar aqui. Mas vamos continuar até os sportinguistas. Agora, digo mais: como jogada de xadrez, isto tem sido brilhante, um xeque-mate a um povo sportinguista que está intoxicado e que já só quer paz."

21h47 "Vamos imaginar que nós apresentávamos esta demissão perante esta angústia que vai na alma dos sportinguistas. Primeiro, no mundo inteiro o futebol mudava de paradigma, porque se isto são decisões para rescisões para justa causa... Dois, que tipo de liderança teria o novo presidente? Como é que ele iria gerir o Sporting? Sob medo? Sob pressão? Não, os jogadores voltavam atrás e ele vendia-os. E, partir de agora, de cada vez que um ou dois jogadores quiserem sair por um valor que acham justo, a coisa nunca mais parava. A coisa mais fácil seria apresentar a nossa demissão, mas o Sporting perdia o respeito e a credibilidade. Não quero meter os jogadores nisto, ainda. Agora, se fôssemos embora, o que de bom viria? O que é que isto traria?"

21h42 "Os sócios merecem que se lhes diga isto: temos lido que os jogadores voltam atrás nas rescisões se a direção cair. Portanto, basta haver uma carta dos seis jogadores a dizer isto: 1) Que se nos demitirmos, voltam atrás para jogar no Sporting; 2) Se nos candidatarmos e ganharmos, estas premissas continuam a valer"

21h40. "Estes processos de rescisão são como a Assembleia Geral de 23. É só chantagem, não vão até ao fim. Nós não estamos agarrados ao poder, estamos disponíveis. Quem tem de decidir se o Conselho Diretivo continua ou não, são os sócios"

21h32. "Mais um dia difícil para a família sportinguista. Não é que estas situações não estivessem pensadas, mas infelizmente estamos a viver uma altura um ataque concertado. Já chegaram aqui quatro cartas de rescisão, mas nenhuma delas tem fundamento. Senão, isto mudava completamente o sentido do futebol português, por causa de um acontecimento hediondo [invasão a Alcochete]."