Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

“O ex-presidente veio a Alvalade mentir e desestabilizar”: comissão de gestão responde a Bruno de Carvalho

A Comissão de Gestão da Mesa da Assembleia Geral, Comissão de Fiscalização e a SAD responderam a Bruno de Carvalho

Hugo Franco e Marta Gonçalves

Bruno de Carvalho apelidou a Assembleia Geral de 23 de junho, em que mais de 70% dos sócios decidiram pela destituição do ex-líder, de “mentira pegada”

RODRIGO ANTUNES/ lusa

Partilhar

Artur Torres Pereira, presidente da Comissão de Gestão do Sporting, leu um comunicado durante seis minutos, no Estádio de Alvalade. “O ex-presidente veio a Alvalade mentir e desestabilizar”, negando assim que tenha sido entregue um documento legal que permitisse o regresso de Bruno de Carvalho à presidência do clube. Trata-se de uma resposta conjunta da Comissão de Gestão da Mesa da Assembleia Geral, a Comissão de Fiscalização e a SAD, que esta sexta-feira foi às instalações do clube reclamar a liderança, ainda que provisória até ás próximas eleições marcadas para 8 de setembro.

“O ex-presidente chegou com uma mão cheia de nada e outra cheia de coisa nenhuma”, disse Torres Pereira, frisando que “quanto mais o clube precisa de paz, mais ele semeia guerra”. “Quer queiram quer não, esclarecemos todos os que estão por esclarecer ou de má fé que o presidente da Mesa da Assembleia Geral se chama Jaime Marta Soares, que o presidente da Comissão de Gestão se chama Artur Torres Pereira, que o presidente da SAD se chama José Sousa Cintra e que o presidente da Comissão de Fiscalização se chama Henrique Monteiro.”

Sobre o episódio desta manhã de sexta-feira, em que Bruno de Carvalho entrou nos escritórios da SAD do Sporting para falar com os membros da Comissão de Gestão, Torres Pereira revelou que o Sporting chamou a PSP para expulsar o ex-presidente do local.

“Foi tudo mentira, não existe nenhum documento.” Segundo Torres Pereira, Bruno de Carvalho entrou nas instalações do clube “alegando ter em sua posse uma decisão judicial” que lhe devolvia a presidência do clube. “Analisada e conferida a documentação nas instalações do clube concluiu-se ser afinal tudo mentira. Não existe qualquer documento que suspenda a decisão”, recordando uma vez mais que Bruno de Carvalho foi destitutido com mais de 71.36% dos votos dos sócios na Assembleia Geral de 26 de junho, na Altice Arena.

Pelas 12h00, Bruno de Carvalho deslocou-se aos escritórios da SAD do Sporting. Mais tarde, reuniu-se com advogados externos, acabando por ser expulso das instalações pela comissão de Gestão da Mesa da Assembleia Geral. Saiu acompanhado pela PSP.

O despacho que Bruno de Carvalho dizia ter seria um reconhecimento do Tribunal da Comarca de Lisboa a confirmar que a providência cautelar (que lhe devolvia a liderança) tinha sido entregue.