Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Bruno de Carvalho: “Deve ter sido uma vergastada muito levezinha, pois o Jesus não tinha mazelas. E o Monteiro nem um furinho na camisola”

Isto foi o que Bruno de Carvalho disse ao juiz Carlos Delca no interrogatório no Tribunal do Barreiro. Estas informações foram avançadas pela RTP

Tribuna Expresso

Jesus e Bruno de Carvalho, quando tudo ainda eram rosas

JOSÉ COELHO/LUSA

Partilhar

”A RTP revelou parte do interrogatório do juiz Carlos Delca a Bruno de Carvalho no Tribunal do Barreiro, no âmbito da investigação à invasão de Alcochete. A estação pública mostrou o que o antigo presidente do Sporting disse sobre as agressões a Jorge Jesus - “uma pequena vergastada” -, a Mário Monteiro, e a relação de William Carvalho e de Rui Patrício com a Juve Leo. “Eles não eram santos.”

A vergastada

“Estive no balneário do treinador e digo-lhe que deve ter sido uma vergastada muito levezinha, pois o Jesus não tinha mazela nenhuma. Falou da camisola do Mário Monteiro, não pode ter recebido com tocha no peito, nem um furinho tinha na camisola. Tirando o [Bas] Dost, mais alguém foi ao hospital mostrar alguma coisa? Acho tudo estranho. Se estavam o Jesus e o William a falar com o Mendes e mais cinco, o GNR estava lá dentro”

O portão

“O portão não é fechado porque os senhores jornalistas pediram ao senhor, 'por amor de Deus', para não fechar para poderem entrarem. Moral da história: quando o senhor queria fechar, já não dava. Houve duas medidas de segurança desativadas no início da época sem minha autorização e da Comissão Executiva, as duas portas de vidro em que tínhamos de passar um cartão. A pedido de Jorge Jesus, não retiraram o aparelho, mas desconectaram-no. Se reagi? Só me apercebi quando isto aconteceu, pois normalmente era o meu motorista que saía e me abria a porta do carro.”

A Juve Leo

“Rui Patrício e o William queriam sair [do Sporting]. Tinham almoços e jantares regulares com a Juve Leo. Portanto, não eram santos e uma vez o Jesus quis ir jantar com a Juve Leo. Tirando a festa de Natal ou de aniversário, nunca fui jantar com claques. A única vez que [os elementos da claque] entraram na Academia foi o Jesus que deixou. Eu não deixei e disse ao Jesus que ele não mandava nada”