Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

As fações em que Keizer divide o Sporting... e o futebol português

O Sporting já garantiu a passagem à próxima fase da Liga Europa, pelo que o jogo de quinta-feira, frente ao Vorskla, em Alvalade (20h, SIC), servirá essencialmente para Marcel Keizer afinar as novas dinâmicas da equipa nos vários momentos do jogo, explica o treinador Blessing Lumueno

Blessing Lumueno

Marcel Keizer estreou-se no Alvalade XXI no domingo, frente ao Aves, com uma vitória (4-1)

Miguel A. Lopes/Lusa

Partilhar

O novo treinador do Sporting tem sido o maior tema de debate do futebol português na atualidade. Cativa a bancada do Alvalade XXI, cria repulsa nos que acreditam que o treinador português é o melhor do mundo, causa dúvida aos adeptos rivais, gera curiosidade.

Marcel Keizer não tem deixado ninguém indiferente e todas as fações têm feito por se afirmarem, polarizando as suas impressões sobre o treinador holandês de 49 anos. Sendo que é muito cedo para que se possa dizer algo conclusivo sobre Keizer, sobre a sua nova ideia para o Sporting, sobre a adaptação dos jogadores ao que ele quer, sobre a gestão das expectativas, é preciso que se diga que há algo diferente na turma que se desenvolve em Alcochete nestas últimas semanas.

Vamos por partes.

ORGANIZAÇÃO OFENSIVA: DIZ-ME COMO ATACAS E DIR-TE-EI QUEM ÉS

Há um novo entusiasmo em Alvalade, por dois motivos:

Marcel Keizer com o capitão Nani, internacional que tem espalhado classe em Alvalade, aos 32 anosFOTO AZIZ KARIMOV/REUTERS

Marcel Keizer com o capitão Nani, internacional que tem espalhado classe em Alvalade, aos 32 anosFOTO AZIZ KARIMOV/REUTERS

FOTO AZIZ KARIMOV/REUTERS

1. Pelas vitórias, algumas delas contundentes (4-1 ao Lusitano; 6-1 ao Qarabag; 3-1 ao Rio Ave; e 4-1 ao Aves). Sem as vitórias, a maior parte do universo futebolístico afirmaria que nada de novo estava a ser feito em Alvalade. O novo esquema que o treinador trabalha seria invisível e, para quase todos, a passagem de testemunho para o “holandês” teria sido um erro comprometedor de Frederico Varandas.

Na verdade, ainda vamos a tempo de assistir a tal fenómeno, bastando que para isso o Sporting se afaste da luta pelo título;

2. Pelo novo toque de bola leonino. Em organização ofensiva, é a primeira vez nesta época que vemos alguma organização propriamente dita. Talvez seja injusta esta minha perceção de organização. Mas vejo organização quando uma equipa começa, trabalha e termina os lances com intencionalidade. Com uma clara tentativa de se ordenar na mesma direção, no mesmo sentido. Não o sentido da baliza (porque este é universal), mas nas referências que os jogadores procuram para ligar o guarda-redes, os defesas, os médios e os avançados (entre os sectores, e entre si).

Percebe-se nestes dias uma maior proximidade entre os jogadores e lances consecutivos em que a bola começa no guarda-redes, passa por todos os sectores ao nível da relva, e termina com uma situação de finalização mais simples do que as que nos acostumamos a ver.

Bas Dost e Bruno Fernandes, sociedade goleadora - mas não são os únicos. Nos quatro jogos sob o comando de Keizer, o Sporting marcou 17 golos

Bas Dost e Bruno Fernandes, sociedade goleadora - mas não são os únicos. Nos quatro jogos sob o comando de Keizer, o Sporting marcou 17 golos

d.r.

Há mais passes, há mais corredor central para definir os lances, há mais últimos passes e menos cruzamentos. Há mais saída de bola curta e há uma clara procura por situações de ataque diferentes. Também há movimentos de rutura e passes de maior risco, mas ainda é cedo para dizer se os movimentos dos avançados ou de Bruno Fernandes para receber nas costas da defesa é trabalho de Keizer ou é um órgão vestigial dos estímulos anteriores.

TRANSIÇÃO DEFENSIVA: PORTUGAL TEM OS MELHORES TREINADORES DO MUNDO

O treinador português não está mais preparado para vingar por cá do que outro treinador qualquer. Isto porque, com a mudança de clube, seja ele de perto ou de longe, o treinador vai encontrar pessoas diferentes, com vivências diferentes, com as quais vai ter que lidar; vai encontrar, por isso, um ambiente diferente que vai ter que perceber; vai trabalhar com vícios instalados e situações com as quais nunca teve que lidar; e vai sofrer pressões por força de todas essas novas dinâmicas e da exigência, ou falta dela, das novas funções.

Isto é igual para todos. Por isso, não vejo como mais arriscada a chegada de alguém de fora para ocupar o cargo que poderia ser de um treinador nacional. O cargo deve ser do treinador mais competente para desempenhar funções - e a competência não é exclusiva de um país. Da mesma forma que um treinador português pode perfeitamente vingar em qualquer outro país.

Antes de chegar ao Sporting, Keizer esteve no Al Jazira, nos Emirados Árabes Unidos, e no Ajax, na Holanda

Antes de chegar ao Sporting, Keizer esteve no Al Jazira, nos Emirados Árabes Unidos, e no Ajax, na Holanda

d.r.

No momento em que o Sporting perde a bola, a ideia é recuperá-la imediatamente. Há uma reação agressiva para recuperar, ainda que não muito orientada no sentido em que é feita, o que dificulta a ação defensiva dos elementos mais recuados. Há também uma particularidade que tem de ser bastante trabalhada, se a tendência for para atacar em organização, mais do que em transição: há que pensar nas formas de parar os contra-ataques adversários. Não apenas no momento em que a equipa perde a bola, mas na preparação desse momento: o controlo das referências de contra-ataque do adversário.

ORGANIZAÇÃO DEFENSIVA: A DÚVIDA DOS ADEPTOS RIVAIS

Ainda estamos longe de perceber a real valia do Sporting esta época. Afinal, vai ou não conseguir estar na luta pelo título em março? Aquilo que se vê, para já, no momento de pressão, não deixa sinais tão positivos.

Há pouca articulação e pouca clarividência na procura das referências defensivas. Os próprios jogadores não sabem ainda onde devem estar e como devem estar. Defendem a bola e/ou o espaço? Orientam-se pelos colegas e/ou pelo movimento adversário? Quais são as prioridades? Como é que vai defender muito espaço com poucos jogadores? Nos momentos em que a primeira tentativa de pressão é batida, o que devem os jogadores fazer? Devem fazer falta e/ou ir com o adversário e afundar a equipa muitos metros, ou controlar o espaço e prepararem-se para um possível passe nas suas costas? Ficar com a linha subida e tentar o fora de jogo? Qual é o papel do guarda-redes nisto? São alguns exemplos de muitas situações que o tempo ajudará a esclarecer.

TRANSIÇÃO OFENSIVA: CURIOSIDADE

Este momento parece-me determinante e é sobre ele que estou mais curioso. O que está a ser preparado em Alcochete é uma equipa de posse, para ser dominante, ou uma equipa que se deixa levar pelo espaço? Isto é, quando o Sporting recuperar a bola e o espaço estiver disponível, haverá progressão e aceleração ou será que a equipa vai guardar a bola e assegurar a ordem antes de tudo?

Logicamente que não é isto que vai definir a qualidade da equipa naquilo que se propuser a fazer; mas é o que define se a equipa terá maior ou menor capacidade para cuidar de si antes de tudo o resto.

Depois de vencer o Aves, por 4-1, na 12ª jornada da Liga, o Sporting manteve o 2º lugar da prova, a dois pontos do líder FC Porto

Depois de vencer o Aves, por 4-1, na 12ª jornada da Liga, o Sporting manteve o 2º lugar da prova, a dois pontos do líder FC Porto

FOTO MIGUEL A. LOPES/LUSA

Na abordagem ao jogo, tendo em conta o tão pouco tempo de trabalho, seria prudente que Marcel Keizer deixasse a gestão do grupo para outras ocasiões e aproveitasse cada jogo para continuar a rotinar a equipa. Uma das coisas mais importantes que uma equipa ofensiva pode ter são as pequenas sociedades que os jogadores vão criando entre si, e tais só se criam com tempo em campo juntos. Aqueles jogadores, naquelas posições, em todo tipo de situação.

No seu 1-4-3-3, Mathieu e Coates são preponderantes na entrega da bola aos jogadores mais adiantados. É a partir deles que se começa a definir a qualidade dos ataques e as condições em que a bola vai chegar aos médios e avançados. Quando perdem a paciência, quando as coisas não correm bem, num ou noutro lance, a qualidade de jogo cai muito.

Os extremos por dentro, mais Nani que Diaby, com ambos a procurarem desequilíbrios em combinações para entrar na área, ou o lance individual, o que acaba por beneficiar Nani pela maior proximidade das zonas de decisão, de definição, e da baliza.

Bruno Fernandes com liberdade para se movimentar e como um dos grandes responsáveis por definir os lances. Já não se vê aquela chegada à área, precisamente para o colocar em situações de frente para a linha defensiva e não nas costas dela. Perde-se capacidade na finalização, mas ganha-se mais qualidade na definição.

Wendel e Gudelj mais estáveis nas posições, mais focados nos equilíbrios ofensivos e defensivos. Dost a aparecer algumas vezes como quarto elemento do meio-campo, para arrastar um defesa. O objetivo é colocar os médios de frente para o jogo sem que eles tenham que enfrentar a linha de pressão adversária, com apoios frontais.

Matheus Pereira, 22 anos, foi emprestado pelo Sporting ao Nuremberga, clube da Bundesliga, no início da época

Matheus Pereira, 22 anos, foi emprestado pelo Sporting ao Nuremberga, clube da Bundesliga, no início da época

d.r.

Outro dado importante a notar: o talento de Francisco Geraldes e de Matheus Pereira fazem falta à esta equipa. Nesta forma em que tenta jogar e com a criação deste tipo de dinâmicas seria um passo enorme para a maior qualidade de jogo, e para que a equipa consiga ser mais capaz de ter a bola em zonas adiantadas. Com isso ganharia mais segurança, por passar por menos situações defensivas. Também para a profundidade, em termos de opções, e para a competitividade do plantel, seria de grande importância. Ou seja, seria bom que o Sporting ponderasse, caso exista essa possibilidade, o regresso dos empréstimos.

Ainda não há muita ordem no jogo do Sporting, mas ao longo do tempo o detalhe nas posições que devem ocupar e nos comportamentos tenderá a ser maior, e aí ficará tudo claro para os jogadores e, depois, para nós. Não sabemos como é que a equipa vai reagir aos resultados ou a situações desfavoráveis - como até aqui, caindo muito no nível exibicional, ou não -, e também não sabemos qual vai ser a reação do treinador a este tipo de incidência.

É preciso tempo: tempo para conhecermos melhor as dinâmicas que vão resultar da interação do treinador com os jogadores, com os resultados, e com as expectativas dos adeptos e da direção. Tempo para conhecer o treinador em toda a sua amplitude, sem pressas. O tempo acabará por desfazer a maior parte das inquietações que todos temos, e por dar forma às respostas que queremos.