Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

À revolução Keizer, Bruno Fernandes e Bas Dost responderam da forma habitual. Com os golos do triunfo

O médio português inaugurou o marcador e o avançado holandês bisou em mais um capítulo da sociedade sem a qual o Sporting teria muitas dificuldades em viver. Foram os artífices de uma vitória por 3-0 sobre o Sporting de Braga que tira um pouco da pressão que pairava sobre o técnico leonino - e a que ele respondeu com uma mudança tática pouco vista para estes lados - e que deixa os arsenalistas a cinco pontos da liderança

Tiago Oliveira

Getty

Partilhar

Visto com a suspeição habitual de quem não está habituado a que se aposte em treinadores estrangeiros, Marcel Keizer até começou por virar ao contrário as previsões mais pessimistas aquando do seu ingresso no Sporting, com um início arrebatador. O futebol ofensivo foi acompanhado de muitos golos e uma atitude descomplexada que levaram mesmo o presidente Frederico Varandas prontamente a anunciar que os sportinguistas tinham voltado a sentir orgulho na equipa. Só que o primeiro desaire para o campeonato em Guimarães foi um prelúdio para as dificuldades que se seguiram.

Apesar do triunfo na Taça da Liga, as exibições pouco convincentes e resultados pesados como a derrota em casa com o Benfica começaram a colocar nuvens negras sobre o técnico holandês, que poderia ver-se em maus lençóis se hoje perdesse pela segunda partida consecutiva em casa. Só que quem tem Bruno Fernandes e Bas Dost arrisca-se muitas vezes a ganhar e foi o que hoje ocorreu com uma exibição superlativa dos dois craques da equipa e uma vitória justa por 3-0 frente a um Braga que nunca pareceu estar verdadeiramente em campo.

Não é por acaso que a sociedade entre o holandês e o português vale 49% dos golos leoninos nos últimos dois anos. Quando estão inspirados, partilham uma ligação quase telepática, como se se conhecessem doutra vida. E elevam a equipa consigo, o que não é fácil num elenco que por vezes revela algumas fragilidades, sobretudo na defesa. Que hoje, diga-se, esteve sólida, algo a que não será alheio as alterações promovidas por Keizer.

Após a derrota e a penosa exibição frente ao Villarreal na passada quinta-feira foram sete as mexidas no onze, já sem o prestes a sair Nani. E a equipa revelou-se sólida desde o início do jogo, apesar de um ligeiro pendor mais ofensivo do Braga nos primeiros minutos. A jogar com o onze mais rodado, o Braga procurava manter-se junto do grupo da frente e Abel não quereria certamente repetir um desaire como o da goleada no Estádio da Luz.

Só que hoje o Sporting era outro. Além das mudanças nas caras, o técnico holandês promoveu uma radical alteração de forma, com o seu dogmático 4-3-3 a dar lugar a mais uma espécie de 3-4-2-1, com Wendel a jogar mais junto de Gudelj e Bruno Fernandes e Diaby com licença para criar distúrbios na frente. E a mudança resultou. Se logo aos seis minutos, Esgaio teve uma oportunidade para fazer melhor, a partir daí deu mais Sporting, que poderia ter inaugurado o marcador aos 15 minutos se Tiago Sá não tivesse feito uma excelente defesa a remate de Bas Dost.

Aplausos no lugar de lenços

A toada continuou a favor dos leões que foram causando paulatinamente perigo até chegaram ao golo pelo pé direito de um dos suspeitos de costume. Bruno Fernandes, ora quem mais. O médio fez o 11º golo no campeonato na execução perfeita de um livre à entrada da área e colocou o Sporting na frente do marcador aos 33 minutos da partida além de premiar a boa entrada em campo do Sporting que chegou ao intervalo em pleno controlo do jogo.

Se o Braga quereria arrancar para uma reação forte à desvantagem no início do segundo tempo é algo que nunca saberemos. Até porque essa intenção foi logo cortada pela raiz aos 48 minutos. Grande jogada de Diaby que irrompeu pela grande área bracarense e só foi parado em falta por Claudemir. Jorge Sousa não teve dúvidas e apontou para a marca de grande penalidade onde Bas Dost fez aquilo que já é seu apanágio, faturar. Bola para um lado, Tiago Sá para o outro e 2-0 para os leões.

A partida parecia mais próxima de estar resolvida e além de um remate de longe de Wilson Eduardo que Renan Ribeiro agarrou sem dificuldade, os bracarenses pareciam já estar resignados ao seu destino. E se dúvidas haviam, elas ficaram sanadas aos 68 minutos, quando Bruno Fernandes aproveitou uma falha defensiva do Braga e cruzou sem mácula para Bas Dost finalizar sem dificuldade e fazer o 3-0 com que terminou a partida.

Os 20 minutos finais foram um caminhar tranquilo até à vitória, só beliscados na parte leonina pela lesão de Wendel, que obrigou à saída do médio. No final, aplausos de Alvalade onde na quinta-feira se tinham ouvido assobios e visto lenços brancos e uma vitória importante para o Sporting e para Keizer. Se o holandês sai recompensado pela ousadia tática, o Sporting reduz também distâncias para o Braga, enquanto os arsenalistas vêm agora o primeiro lugar a cinco pontos. Culpa da sociedade de sempre.