Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Blessing Lumueno

Blessing Lumueno

Treinador de futebol

Quer saber como é que o Sporting de Silas irá jogar? Este texto dá-lhe as pistas de que precisa

O treinador Blessing Lumueno é um fã de Silas e perspetiva, aqui, como será a equipa de Alvalade sob o comando deste técnico. Pressão arriscada, bola a sair jogada desde trás e uma obsessão e uma certeza: o jogo será completamente diferente do que foi até agora. É preciso dar-lhe tempo

Blessing Lumueno

Gualter Fatia

Partilhar

Guardiola disse que a melhor forma de avaliar o trabalho de um treinador, de uma equipa, de determinado jogador, era sentado no sofá, a ver jogos, com uma taça de vinho de mão. E para alguém como eu, que passa muito tempo a falar sobre o trabalho que os treinadores e os jogadores desenvolvem em campo, sem todas as ferramentas necessárias para que as palavras tenham valor, é muito fácil falar de Silas.

Com ou sem vinho, no sofá ou no estádio, percebe-se que as palavras de Silas sobre o jogo reflectem, quase sempre, o comportamento das suas equipas em campo. Isto é, o trabalho táctico que desenvolve durante a semana aparece no jogo. A equipa apresenta regularidades evidentes, desde o momento de saída de bola até à criação, mas quando se aproxima da baliza do adversário, há uma neblina sobre forma de entrada na área – mas já lá iremos.

O maior elogio que lhe posso fazer é que olha para o jogo da forma como eu também entendo que o futebol deve ser olhado: do ofensivo para o defensivo. Tem uma forma de defender criada para a dinâmica com que a equipa se estende e se desenvolve no ataque. Por isso, não consigo dizer que no modelo de jogo de Silas se defende em determinado sistema por me parecer um exercício pouco preciso.

Sabemos, obviamente, os princípios gerais pelos quais se rege: a defesa zonal que tenta organizar nos momentos em que não tem como pressionar. Não é tão importante o sistema porque ele vai alterando em função da forma como quer atacar, mas tenta manter as suas linhas próximas, fechar bem o corredor central, e pressionar de dentro para fora por forma a evitar bola dentro do bloco. Se o faz em 1-4-4-2, 1-5-4-1 ou 1-5-3-2, depende da estratégia que montou para o jogo.

Vimos no Belenenses SAD que as referências de pressão foram bem trabalhadas, com o/s avançado/s a fechar/em o campo primeiro (orientarem a pressão para um dos lados, impedindo a variação para outro), e aí os médios começavam a subir para apertar o portador da bola, e a linha defensiva dava uns passos em frente.

Sabendo-se que a prioridade é fechar o corredor central na forma como pressiona, não descura o corredor da bola para não dar espaço e tempo, dentro da sua zona de pressão, para o adversário executar. Todos os jogadores estarão envolvidos e terão conhecimento das tarefas, até porque pela forma arriscada como pressiona são necessários muitos ajustes e muita agressividade na hora de recuperar posições.

Estive sempre muito curioso para perceber a forma como ele organizava a equipa, e do porquê de alterar tantas vezes a forma como colocava os seus jogadores em campo. No Canal 11 tive a possibilidade de lhe perguntar e a resposta não podia ter sido melhor: “penso na estrutura pela forma como queremos atacar o adversário”. Por isso, vamos ter uma equipa a sair a jogar desde o seu guarda-redes, provavelmente com uma linha de três defesas, e dois médios de cobertura; dois alas projectados a ocuparem a largura, e um triângulo na frente onde o vértice mais recuado é o médio ofensivo que liga com os dois avançados na frente.

Mas, não está de lado a hipótese de alterar o vértice da frente, colocando dois médios ofensivos atrás de um avançado; assim como não está totalmente fora de hipótese a criação de um losango, ou quadrado, no meio campo, com uma defesa à 3 ou à 4. O fundamental é que a equipa tentará chegar perto da área adversária com a bola controlada, com tempo e espaço para executar. Aqui, perto do último terço, é que me parecem terem surgido as principais dificuldades da equipa.

Sendo que se defendia bem com bola, mantendo-a, não conseguia ser tão eficaz na resolução dos problemas que surgiam quando se aproximava da área: os jogadores aceleravam constantemente, mesmo que não tivessem condições para tal, e a equipa perdia a paciência que os tinha levado até ali de forma segura. Os avançados movimentavam-se para os corredores laterais sem a garantia que no enquadramento da baliza ficavam jogadores suficientes para atacar a última linha adversária, e a finalização de forma mais perigosa. Nessa fase do jogo, a equipa assumia comportamentos de risco, e fazia alguns movimentos que não lhe permitiam entrar na área adversária com a mesma tranquilidade com que saía de perto da sua.

As ideias de jogo de Silas, a forma como pensa o jogo, a obsessão que tem com o cumprimento das tarefas que ele define dentro de campo vão marcar os jogadores do Sporting. E, por isso, irá ter impacto na equipa. Vai mexer, vai agitar - e o Sporting precisa disso. Há muito que aqueles jogadores não têm um estímulo táctico de qualidade, e o novo treinador do Sporting vai criar boas sensações nos jogadores por isso. Poderá, obviamente, não ter impacto imediato. Mas dentro de uns meses, se o projecto tiver sido pensado a médio longo prazo, se houver estabilidade para tal, estaremos a falar de um Sporting absolutamente diferente do ponto de vista colectivo. Mais competente em todos os momentos do jogo, mais dinâmico, com um maior conhecimento das tarefas a cumprir dentro de campo.

Eu desfrutava a ver a equipa de Silas jogar. Sobre se me vai ou não dar o mesmo tipo de sensações ao comando do Sporting, estarei sentado acompanhado por uma taça de vinho ou com uma cerveja na mão para perceber.