Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

Juve Leo e Diretivo XXI têm uma semana para abandonarem as sedes

As duas maiores claques do Sporting já tinham sido notificadas pelo clube há quinze dias. No final desta semana, ambas terão de abandonar as instalações

Hugo Franco e Pedro Candeias

Gonzalo Arroyo Moreno / Getty Images

Partilhar

As claques Juventude Leonina e Diretivo XXI vão ser obrigadas a abandonar as suas sedes no interior do estádio de Alvalade até ao final desta semana, apurou o Expresso junto de várias fontes. Os dirigentes destes dois grupos de adeptos terão já sido notificados para saírem das instalações nos próximos dias.

A Juventude Leonina está sediada na célebre ‘casinha’, um local cedido pela autarquia lisboeta ao clube, e o Diretivo XXI também tem a sede nas instalações de Alvalade. Estes são os locais onde nos últimos anos os ultra do Sporting se têm reunido em dias de jogos e armazenado o material de apoio como tarjas, tambores ou bandeiras.

O Sporting já tinha feito o aviso de despejo há mais de duas semanas mas ainda não tinha sido determinada uma data, pelo menos publicamente.

As relações entre a direção de Frederico Varandas e estes dois grupos de adeptos têm-se deteriorado de dia para dia, principalmente desde os incidentes e cânticos no pavilhão João Rocha durante um jogo de futsal, há cerca de três semanas. O carro de um dirigente leonino foi mesmo vandalizado na sequência dos protestos.

Varandas retirou alguns dos privilégios que eram até há pouco tempo dados como adquiridos pelas duas claques, como a oferta de bilhetes para os jogos de futebol.

O fim dos protocolos gerou uma onda de protestos entre dirigentes da Juventude Leonina e do Diretivo XXI que acusam o presidente do clube de estar a realizar uma gestão desastrosa.

Durante e depois dos jogos é possível ouvir cânticos anti-Varandas provenientes sobretudo da bancada superior Sul, onde habitualmente se sentam as claques verde-e-brancas.
Num discurso realizado há poucos dias, o presidente do Sporting acusou as claques de servirem de “guardas pretorianas” para fazerem o trabalho sujo a uma determinada direção.

Declarações que levaram a Juventude Leonina emitir mais um comunicado contra o número um do clube, garantindo que o presidente “mente descaradamente” e que esta claque “não é subserviente de nenhum presidente”.