Tribuna Expresso

Perfil

Sporting

“Por mais do que uma vez, estive cara a cara com um dos mascarados e ele não me fez nada. Eles queriam o William, o Patrício e o Acuña”

O italiano Piccini esteve a testemunhar, em tribunal, a propósito da invasão a Alcochete, garantindo que havia alvos definidos no grupo que entrou na academia leonina

Lusa

PATRICIA DE MELO MOREIRA

Partilhar

O futebolista italiano Cristiano Piccini considerou hoje em tribunal que os invasores da academia do Sporting tinham alvos específicos e admitiu ter estranhado a calma do presidente Bruno de Carvalho numa reunião, na véspera, com os jogadores.

“Eles queriam o William Carvalho, o Rui Patrício, o Battaglia e o Acuña”, disse Piccini, na 23.ª sessão do julgamento da invasão da academia, acrescentando: “Por mais do que uma vez, estive cara a cara com um dos mascarados e ele não me fez nada”.

Piccini, que agora alinha nos espanhóis do Valência, referiu que as pessoas que entraram “mascaradas e com bengalas” no balneário “não tinham qualquer intenção de falar, e começaram logo a insultar e a bater”.

O defesa confirmou uma reunião do plantel com o então presidente Bruno de Carvalho, um dia depois da derrota com o Marítimo (2-1), na qual Bruno de Carvalho “estava muito tranquilo”.

“A reunião com o presidente centrou-se muito no que se tinha passado na Madeira [insultos aos jogadores e troca de palavras entre jogadores e adeptos]. Achei que o presidente estava muito tranquilo, sobretudo tendo em conta outros comportamentos anteriores”, afirmou o jogador, ouvido por videoconferência, no tribunal de Monsanto.

Battaglia explicou que o treinador Jorge Jesus “deu folga nos dias 14 e 15 de maio, mas que, depois, disse que não haveria folga a 15”, admitindo que “não era habitual ter dois dias de folga”.

No entanto, o italiano disse compreender a decisão inicial de dar dois dias de folga “tendo em conta a derrota na Madeira [que afastou o Sporting do segundo lugar da Liga e da Liga dos Campeões], que afetou muito os jogadores”.

Piccini, que deixou o Sporting no final de época 2017/2018, acrescentou ter-se “sentido muito inseguro”, não só por ele, mas também pela família, e admitiu que “estava ansioso para que a época terminasse para ir de férias”..